Jovem Crente: O trauma da separação!

O trauma da separação!



Hoje vamos falar de um assunto um pouco delicado, mas que muitas pessoas têm enfrentado. Alguns podem achar normal, outros não, mas todos sofrem em alguma proporção. SEPARAÇÃO. Pois é! A separação nunca é fácil. Seja por morte, por distância, brigas, tempo; seja de um amigo, namorado, colegas de sala, de pais e filhos, netos e avós, maridos e esposas, irmãos ou irmãs. Ela sempre nos deixa marcas.


Talvez a separação mais difícil de encarar seja aquela entre maridos e esposas, principalmente quando envolvem filhos, pelo fato de que a união conjugal é a união mais forte dentre todas. Porém, eu gostaria de encorajar filhos que lidaram ou lidam com isso a entender que, mesmo que o divórcio não seja o propósito de Deus para uma união a dois, ele pode trazer amadurecimento a nós filhos e a certeza de que, por mais difícil que seja essa separação, Deus é o único capaz de nos dar forças para passarmos por tudo que a envolve. Podemos ter a certeza de que ele cuida, zela e conforta seus filhos e nos ajuda com nossos questionamentos em todos os momentos.

Por que isso aconteceu com meus pais?

Desde a entrada do pecado no mundo, as relações (quaisquer que sejam) foram deturpadas, inclusive a relação entre maridos e esposas, afetando o propósito do casamento. Além disso, somos parte de uma geração em que a construção da realidade do casamento é muito suscetível a frustrações, pois crescemos ouvindo que o importante é ser feliz. Essa realidade se encontra, principalmente, em lares que não se renderam a Cristo e não viveram a transformação que o evangelho causa em nossas vidas individuais (como marido e esposa em suas relações pessoais com Deus) e coletivas (relacionamento familiar interpessoal - marido, esposa e filhos).

Como posso perdoar meus pais?

Minha história familiar é marcada por dor, sofrimento e separação. Passei por tudo isso no momento mais crítico da minha vida: durante a adolescência, quando estava me conhecendo e necessitava de alicerces sólidos. Mesmo já frequentando a igreja, eu não conseguia entender o que levara meus pais àquela decisão e muito menos sentia vontade de perdoar. Só o que passava pela minha cabeça era: “por que eles fizeram isso comigo, com a nossa família, como eles tiveram coragem?!”. Mas foi então que, ao começar a compreender a riqueza do evangelho, eu percebi que Deus me dava força e poderia me conceder sabedoria e maturidade, mesmo sendo ainda tão novo, em um momento como esse. A Palavra de Deus confrontava meu coração dizendo: “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou”. E, graças a Deus, literalmente, hoje posso dizer que não guardo mágoa ou rancor dos meus pais, mas oro por eles, na certeza de que Deus é o mais interessado em restaurar o relacionamento quebrado do que eu. E mais do que isso, Deus me deu a oportunidade de poder começar uma história nova e diferente. Não porque sou bom ou melhor do que eles, mas sim porque eu aceitei as minhas limitações e me rendi a Cristo, sabendo que ele era capaz de transformar a minha vida em todas as áreas, inclusive a minha união com minha esposa. 

Como posso fazer diferente?

Deus, em sua eterna graça, tem poder para converter histórias de filhos traumatizados ou machucados pelo divórcio em uma vida a dois perpétua e feliz. A história dos seus pais não é a sua! A Bíblia deixa claro que não existe maldição hereditária. O texto de Jeremias 31.29-31 fala sobre isso:

"Naqueles dias não se dirá mais: ‘Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se mancharam’. Ao contrário, cada um morrerá por causa do seu próprio pecado. Os dentes de todo aquele que comer uvas verdes se mancharão. ‘Estão chegando os dias’, declara o Senhor, ‘quando farei uma nova aliança com a comunidade de Israel e com a comunidade de Judá’".

Os erros dos seus pais influenciam a sua história, porém eles não determinam quem você será. Pelo contrário, Jeremias enfatiza a responsabilidade individual pela iniquidade. O Senhor nos dá oportunidades de termos relacionamentos diferentes daqueles que marcaram negativamente a história de nossos pais ou pessoas próximas. O Senhor nos incentiva a uma história diferente, que o agrade e que viva o que ele tem para nós como seus filhos.

Voltando à minha história pessoal, os conflitos familiares vividos me fizeram desejar e lutar por um namoro e um casamento diferente. Com uma história permeada pela intervenção de Cristo, ele me fez amadurecer e confiar que, nele, minha vida e meu casamento poderiam ter um propósito e um rumo diferentes.

Sem dúvidas esse é um sentimento que o Senhor desperta em nossos corações em alinhamento com o que ele tem para nossas vidas. O evangelho é um convite à mudança e transformação da nossa história e o texto de Romanos 12.1-2 nos aponta essa verdade:

“Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.

Esse é o lindo convite que o evangelho nos faz: experimentar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus e não as mesmas frustrações que nossos pais viveram.

O evangelho me convida e convida você a começar uma nova história, com relacionamentos ressignificados e solidificados em Cristo. E para isso temos tudo o que precisamos, como 2 Pedro 1.3 nos afirma, para a vida e para a piedade. Temos tudo para, de forma corajosa e ousada, começar uma nova caminhada de convívio, principalmente no namoro e no casamento.

E este é o encorajamento que fica: apegue-se ao evangelho e a nova história que Cristo quer fazer em sua vida, deixando para trás os traumas e frustrações que você teve ou tem vivido. E ore para que alcancemos, através da graça, o poder de Deus que nos ajuda a vencer o pecado que habita em nós.


Artigos Relacionados:





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação