Jovem Crente: 500 anos de Reforma Protestante… E daí?

500 anos de Reforma Protestante… E daí?


Se você, assim como eu, está sem dinheiro ultimamente,  agradeça  Martinho Lutero, porque antes dele arrumar essa briga com a Igreja você teria que comprar a sua salvação, e não seria barato.

Neste texto a minha intenção é expor pra você o que a reforma mudou na nossa vida como cristãos, e como ela nos trouxe uma liberdade que muitas vezes negligenciamos.

Obviamente a Reforma teve muito mais influência no mundo ocidental, principalmente Europeu, e, consequentemente, nas Américas, devido à colonização.

A Igreja  - com “i” maiúsculo mesmo - era um dos maiores poderes que existia na sociedade européia do séc XVI (16). Ela destronava e coroava reis como bem entendia; fazia parte dos estamentos mais altos da sociedade, o clero; possuía incontáveis riquezas e era constituída, primariamente, por pessoas que pagaram para estar lá dentro. Não bastasse esse poder político, a Igreja também intervinha minuciosamente na vida pessoal da sociedade. Por muito tempo a Igreja foi um mecanismo de manutenção da alienação populacional, posicionando-se contra o conhecimento. Os fiéis não tinham acesso à blia e, mesmo se tivessem, ela estava escrita em Latim. Desse modo era impossível para alguém contestar o que era dito em uma missa, ou por um líder religioso. Elas não tinham conhecimento para tanto. A igreja dizia o que ela achava correto, como por exemplo: você deveria comprar o seu terreno no céu,  você deveria pagar para ser salvo, o Papa poderia perdoar os seus pecados,  você estaria preso no purgatóriocaso não pagasse seus dízimos, e várias outras mentiras.

“Eles pregam que a alma sai do purgatório assim que se ouve o tilintar da moeda ao cair no cofre das ofertas.”

Martinho Lutero, Tese 27. 

Lutero, como um estudioso sério da Palavra, não se calou diante dessas loucuras que a igreja pregava, e no dia 31 de outubro de 1517 publicou suas 95 teses, refutando todas as doutrinas que ele enxergava como falsas. Lutero também traduziu a Bíblia para sua língua, o alemão, possibilitando a leitura por pessoas não pertencentes ao Clero e aos altos estamentos da sociedade.

Lutero foi um defensor da interpretação “bíblica” (verdadeira) da Bíblia, de forma clara e direta, para que todos pudessem entender conceitos básicos sobre Deus, Jesus, a nossa Fé e sobre a própria Escritura. Dessa forma Lutero defendia 5 conceitos primários para uma vida cristã: Glória Somente a Deus, Somente Jesus, Somente a Fé, Somente a Escritura e Somente a Graça. Esses cinco Solas, como foram denominados, refutam diretamente os pontos críticos da doutrina vigente na Igreja.

E aí entra a liberdade que nós negligenciamos. Se você pode pegar uma Bíblia em uma língua que você compreenda, estudá-la (ou não), formar uma opinião sobre um assunto e ir pro Facebook fazer um #textão, saiba que muita gente morreu para que você pudesse fazer isso. A Reforma Protestante, nos deu uma possibilidade inexistente no século XVI: a possibilidade de discordar. Vamos usar bem essa possibilidade, e mais do que isso, aproveitar a liberdade que recebemos ao poder ler, ouvir e viver verdades que  muitas pessoas não puderam  viver.



Artigos relacionados:






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação