Jovem Crente: Quando o guarda-chuva quebra na tempestade

Quando o guarda-chuva quebra na tempestade


As chuvas podem ser muito traiçoeiras. Às vezes, o vento transforma aquela sensação de proteção oferecida por nosso guarda-chuva e nos mostra que uma roupa seca pode se encharcar. Repentinamente. 

O cabelo que você levou horas pra arrumar, arma em questão de segundos. Aquele casaco quentinho parou de oferecer acolhimento, e tudo o que você mais quer fazer é se livrar dele. Afinal, ele duplica de peso quando molhado. 

Seus olhos marejam, de raiva. É mais um dia daqueles. 

Culpa daquele guarda-chuva de 5 reais que você achou ser forte. Forte para enfrentar uma chuva, que nem era tão intensa, mas que te trouxe prejuízos. O tecido se desfez em cinco, e onde uma estampa linda habitava, restou o caos. O que não era necessariamente uma tempestade (só mais um dia de garoa, afinal, estamos cheios deles, não?), acaba se tornando uma. Porque você não soube como lidar. 

Uma situação tão simples, que logo se tornará boba aos seus olhos, entretanto a famosa citação do copo d’água e aquela história de tormenta (Ou será catástrofe?) é a mais pura verdade. Você sente todas as suas veias saltarem... 

O que deveria ser seu suporte, seu companheiro, sua solução... te deixou na mão. 

Quantas vezes na jornada de nossa existência, não nos sentimos traídos? Quanta confiança depositamos em pessoas, objetos, situações? E quando nos vemos fora de controle, lamentamos pela incompetência daquilo que nos frustrou, pois, é sempre mais fácil colocar a culpa em algo que não seja o nosso próprio umbigo. 

Mas mesmo em meio à pior tempestade, nós jamais estamos sem a proteção necessária. De fato, os respingos nos atingem e nos molhamos. O guarda-chuva do emprego garantido, da pessoa confiável, da família perfeita. Os mitos que nos cercam, daquele alicerce que jamais nos decepcionará, onde ao menor sinal de mudança climática, nos desola, tirando-nos o chão. 

A tragédia pode vir em proporções maiores ou menores para as pessoas. Mas isso não torna o sentimento mais ou menos honroso. A vergonha de termos confiado em coisas que não podiam nos oferecer o necessário pode ocasionar uma ferida profunda. 

Mas, o que a bíblia tem a dizer sobre aquele colega nosso que ficou responsável por levar o trabalho para apresentação, e não o concluiu? Ou uma demissão inesperada? Ou um relacionamento que estava caminhando bem e de repente se vê em meio ao conflito? Talvez sobre uma casa que agora se encontra com goteiras, após a chuva de granizo?

O que melhor glorifica a Deus em uma situação que está fora de controle? Em sua palavra temos claramente exposto o desejo de que devemos fazer tudo para a glória dEle (“Portanto, quer comais, quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus.” 1 Co 10.31). Mas e quando a solução parece algo inatingível?

Confie. 

Nosso clamor deve sempre ser dirigido a quem tem todas as respostas. Não sabemos o motivo de sermos expostos às tempestades da vida. Ou mesmo às pequenas garoas do caminho. Mas Deus sabe. Ele sabe o porquê aquele carinho que você tinha por seu guarda-chuva era tão intenso ao ponto de te fazer parar de ver o quadro geral. Os discípulos passaram por isso. Eles se encontravam numa tempestade, e Jesus estava com eles no barco. Mas eles lamentavam a destruição iminente e não conseguiam descansar como seu mestre. (Veja Lucas 8.23-25).

Nosso próprio coração é enganoso e corrupto (“O Coração humano é mais enganoso que qualquer coisa e é extremamente perverso; quem sabe de fato o quanto é mau?” Jr 17.9), temos sempre o desejo de controlarmos as circunstâncias ao nosso redor e esquecemos que as misericórdias eternas de Deus são suficientes para nós. Quando não enxergamos as soluções, devemos nos acalmar e entender de qual forma conseguiremos clamar por socorro:

“Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie em seu próprio entendimento; Reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e Ele endireitará suas veredas”Pv 3.5,6.

Um ambiente acolhedor, seco e calmo existe. O final feliz está sim próximo de nós. Mas ele é algo que se encontra fora de nosso tempo presente. Nossas vidas não foram planejadas para serem enfrentadas com uma coberturinha de terceira qualidade do guarda-chuva da esquina. Você pode estar no meio de uma correnteza, e o salva vidas estará te aguardando. As promessas de Deus nos ancoram a uma certeza de vida eterna com Ele (“Essa esperança é uma âncora firme e confiável para nossa alma”. Hb 6.19a), pois foi isso que Jesus conquistou para nós. Ele leva o peso de nossos erros, da nossa falta de fé, e transforma isso em um alicerce de graça! 

“Agora que teu amor me console, como prometeste a este teu servo. Cerca-me da compaixão para que eu viva, pois tenho prazer em tua Lei” – Sl 119.76,77

Em meio às tempestuosas batalhas da vida, quando tudo parece conspirar contra seu mundo, confie que o dono da chuva é o responsável por sua vida também. Não é porque as coisas não estão funcionando do seu modo, que elas deixarão de ser funcionais. O desejo divino é que seu coração esteja tão enraizado na Palavra dEle, e na confiança inabalável que um dia lindo de sol surgirá, talvez não da maneira que você planejaria, mas através de uma eternidade de paz nas garras da Graça e do Amor de Cristo. 

Não desanime quando seu casaco molhar, ou quando seu guarda-chuva quebrar. O dono da chuva pede pra você confiar. 

Ele é o alicerce, Ele é a rocha. Ele é Jesus, o único que pode fazer a tempestade passar.



Artigos Relacionados:











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação