Jovem Crente: Deus e o sofrimento humano

Deus e o sofrimento humano


Situações de extrema dor e sofrimento são inevitáveis. Toda pessoa, cristã ou não, enfrentará decepções, perdas, incertezas. A diferença do cristão não está em, como afirmam muitos pregadores, não enfrentar sofrimentos, mas em uma perspectiva diferente sobre a dor e a tragédia.

Na última semana (para que nós possamos absorver ainda mais a complexidade desta questão), o Brasil inteiro envolveu-se e lamentou-se com a queda do avião que transportava a equipe de futebol da Chapecoense e vários jornalistas. Acidentes aéreos, infelizmente, acontecem com certa frequência, mas este em especial, o maior acidente esportivo da história, encerrou sonhos que vinham sendo construídos há vários anos por uma equipe de pouca expressão que com bastante planejamento, estava a ponto de alcançar seu maior momento na história. Jovens de todo o Brasil haviam se envolvido com a campanha desta pequena equipe e esperavam com expectativa a partida que seria realizada na Colômbia. O acidente com o avião, que custou 71 vidas, comoveu não só o Brasil, mas também, de uma forma que muito me surpreendeu, o mundo todo.  Pessoas de diferentes esportes e culturas uniram-se para prestar homenagens e auxílio ao time do oeste catarinense.

Com toda a mobilização e envolvimento emocional que vimos na última semana, lembramos do quanto tragédias e situações inesperadas podem causar dor ao homem, e de fato, nós sofremos. A pergunta “onde estava Deus?” sempre vem às nossas mentes nestes momentos. Se ele é Todo Poderoso, qual a razão de Deus não intervir nestas situações e impedir que o trágico aconteça. Por mais que seja difícil para um coração abatido entender, a Bíblia nos responde esta difícil questão.

Deus nunca está indiferente

A Bíblia nos mostra em diversos lugares que Deus sente emoções e que se comove com a dor do seu povo e da sua criação. Um momento marcante acerca disso, é quando um amigo de Jesus, Lázaro, vem a falecer. Jesus viaja alguns dias e, ao encontrar as irmãs do seu amigo chorando pela morte, chora também (Jo 11.17-37) a ponto de aqueles que presenciavam o momento dizerem: “vejam como ele o amava!” (v. 36).

Deus também é descrito como aquele que se inclina para ouvir o grito de socorro dos que o buscam, (Sl 40.1) e aquele que é auxílio sempre PRESENTE na adversidade (Sl 46.1). Por isso, podemos saber que Deus está sim interessado e envolvido com o nosso sofrimento, o Deus Todo Poderoso não está distante de nós a ponto de não importar-se com nossa dor, pelo contrário, ele é o Deus “misericordioso e compassivo, paciente e transbordante, (...)  bom para todos; a sua compaixão alcança todas as suas criaturas” (Sl 145.8-9).

Podemos encontrar Deus no sofrimento

Uma das histórias mais belas das Escrituras é a história de Jó. O homem rico do Oriente, dono de terras e propriedades, considerado um homem temente a Deus que, repentinamente e por permissão de Deus, perdeu tudo o que tinha e adoeceu como uma das enfermidades mais temidas da época, a ponto de ter que se isolar da comunidade e viver abandonado em seu sofrimento. Em meio a tudo isso, Jó permaneceu fiel, mesmo quando seus amigos insistiam em afirmar que Deus o estava castigando por algum erro seu. Ao final do livro, Jó questiona Deus e duvida de sua sabedoria em seus propósitos. O próprio Deus então o responde, e Jó pôde ouvir o Senhor falando das obras de suas mãos e da grandeza do seu poder, a ponto de Jó realmente não ter como continuar a questionar os propósitos de Deus. Jó então faz uma das mais belas declarações da Bíblia, ao confessar que “meus ouvidos já tinham ouvido a teu respeito, mas agora os meus olhos te viram” (Jó 42.5). O sofrimento de Jó o permitiu experimentar Deus e conhecê-lo de uma forma que nenhum outro homem jamais experimentará. O mais surpreendente desta história é que, em nenhum momento, Deus explica a Jó a razão de ele ter sofrido tanto, mas apenas deixa claro de que era Deus e que continuava tendo o controle da vida do seu servo. Jó não somente compreende a grandeza de Deus como também encontra conforto em saber que o Deus criador do universo se mantivera o tempo todo atento à sua situação.

Deus continua sendo soberano      
                                            
Deus nunca perde o controle. Por mais difícil ou inesperada que uma situação possa ser, Deus nunca perde as rédeas dos seus planos. Em João, no capítulo 9, vemos a história de um cego de nascença que foi curado por Jesus. Este homem provavelmente já tinha mais de 30 anos, e vivera todo este tempo na escuridão, pedindo esmolas para sobreviver.  Este homem nunca havia visto a luz, as árvores, nem sequer mesmo pessoas. Realmente o seu sofrimento era constante. João nos conta do momento em que Cristo cura este pobre homem e ele passa a enxergar. É incrível pensar que a primeira pessoa que este homem possa ter visto poder ter sido o próprio Cristo. Nenhum de nós hoje já viu pessoalmente a Jesus, nenhum de nós hoje teve Jesus falando conosco ou mesmo nos tocando, mas este homem, que fora cego por mais de 30 anos, teve este privilégio. Foram muitos anos de sofrimento, mas os propósitos de Deus para este homem reservavam uma experiência que nenhum de nós irá experimentar. Como o próprio Jesus disse, “isto aconteceu para que a obra de Deus se manifestasse na vida dele” (Jo 9.3).

No sofrimento, podemos testemunhar de Cristo

Se você já conhece a Cristo, deve saber que o sofrimento não será somente um desafio para a sua fé, mas também uma oportunidade para falar aos outros sobre ela. A Bíblia conta que este mesmo cego foi levado diante de homens poderosos para testemunhar sobre o que havia acontecido com ele, e de fato, em várias outras passagens da Bíblia, situações de sofrimento serviram como oportunidade para falar sobre Cristo de forma muito mais intensa e profunda. Paulo e Silas na prisão são um bom exemplo disso. Açoitados, feitos prisioneiros e acorrentados, louvaram ao Senhor na prisão, e quando tiveram a oportunidade de fugir, permaneceram, e puderam falar de Cristo ao carcereiro, que depois junto com sua família, foi batizado (At 16.16-34).  Sem a sua prisão e as dores que enfrentaram, o carcereiro e sua família não teriam escutado acerca do Evangelho, mas Deus transformou algo ruim em algo maravilhoso, vidas foram salvas para sempre.

Conheço vários irmãos que, ao passar por momentos difíceis, puderam testemunhar do amor e da esperança que tem em Cristo, alcançando pessoas com o evangelho. Quem permanece fiel durante tempos de sofrimento, tem a oportunidade de impactar pessoas com a segurança e a alegria que só há em Cristo.

Uma nova perspectiva

Na prática, é extremamente difícil lidar com o sofrimento. A desconfiança, as incertezas, as decepções podem tomar conta do nosso coração, mas precisamos lembrar que o Deus Todo Poderoso, cheio de graça e misericórdia, ainda está no controle e que ele está pronto para nos consolar e fortalecer. Não se pode afirmar que as tragédias acontecem por ordem de Deus, vivemos em um mundo caído, onde a morte e a dor ainda estão presentes, mas certamente podemos afirmar que Deus se entristeceu com a dor das famílias desamparadas com a queda do avião, assim como se entristece com as vítimas na Síria, com os refugiados que morrem fugindo de seus países, e com tantas outras mortes e tragédias que ocorrem o tempo todo em nosso mundo. Deus, o Criador de tudo, sofre mais do que ninguém ao ver a sua perfeita criação se degradando com a maldade crescente do coração do homem.  Diante de tudo isso, podemos saber que a maior prova do amor de Deus não seria impedir que aquele avião caísse, mas sim, sua decisão em sacrificar seu próprio Filho para que cada passageiro ou tripulante ali, ao conhecê-lo, pudessem ter uma esperança que vá além da morte. O maior consolo para estas famílias pode ser saber que Deus também entende sua dor, pois na maior tragédia da história, viu seu filho sendo assassinado injustamente para que aqueles que o mataram pudessem vencer a morte. Deus entende nossa dor, Deus sofre conosco, em Cristo, suportou a separação de um filho para estar unido eternamente aos que crerem nisso.

Assim, nossa oração poder ser parecida com a dos coraítas, que abrindo seu coração diante de Deus, cantaram estas palavras:

“Por que você está assim tão triste, ó minha alma?
Por que está tão perturbada dentro de mim?
Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei;
Ele é o meu Salvador e o meu Deus”
(Sl 42.11)

Artigos relacionados:

- Um processo para a salvação
- Em que investir minha vida?
- Por que eu existo? 





4 comentários:

  1. Texto muito edificante Max, que Deus te abençoe grandemente meu amigo!

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente. Deus continua sendo Deus!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto! Muito edificante...
    Deus o abençoe!

    ResponderExcluir
  4. Texto muito edificante... que Deus continue lhe abençoando irmão! Parabéns!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação