Jovem Crente: Por que terminar um namoro ou noivado?

Por que terminar um namoro ou noivado?


Em blogs e sites cristãos facilmente se encontra: como começar um relacionamento; quais qualidades um namorado ou uma namorada deve ter; se é errado ficar; qual o padrão de Deus para um namoro. Porém, o que pouco se vê é: Por que terminar um namoro ou noivado?[i] As Escrituras tem algo a nos ensinar sobre o assunto? Sim! No entanto, é óbvio que não existe um versículo: “Ide, portanto, e termine seu namoro” (Namorais 4.3). Então, temos que meditar acerca das motivações e princípios bíblicos que nos levam ao término do namoro ou noivado.

Uma história real

Você que lê este artigo pode ter vivido, estar vivendo, ou algum dia passar por esta situação de terminar um relacionamento. Eu vivi na pele esta situação e não foi nada fácil. Imagine como é terminar um relacionamento há três meses do casamento, contratos acertados e muitos planos. Mas, foi inevitável, há algum tempo não entravamos em acordo, víamos que nossos sonhos eram muito diferentes e não havia um mesmo nível de maturidade espiritual. Então, decidimos que era melhor parar por ali, do que continuar em algo que daria errado.

O principal motivo

Não se ponham em jugo desigual com descrentes.
Pois o que têm em comum a justiça e a maldade?
Ou que comunhão pode ter a luz com as trevas”. 2 Coríntios 6.14

O principal e primeiro motivo para o término do namoro ou noivado que destaco é o jugo desigual. Talvez você entregou sua vida à Cristo faz pouco tempo e está namorando alguém que não tem um relacionamento verdadeiro com Deus, também é possível que você tem sido desobediente a Palavra e colhido duras consequências, ou, até mesmo, nem sabia que esta atitude é pecado. A partir de agora não existem mais desculpas para ficar no erro.

Algo que também observo quanto ao “jugo desigual” é na questão da maturidade espiritual. O que seria isto? É quando os dois são crentes, contudo, um apresenta uma vida “rasa” com Deus e de quase nenhum compromisso, enquanto o outro é extremamente envolvido e tem uma vocação ministerial que queima no coração. Neste caso, não é pecado, mas as consequências para a vida a dois podem ser desastrosas, pois não somente a maturidade espiritual é desigual, como também os planos são diferentes. Por isto abordo a seguir.

Planos, sonhos e projetos diferentes.

Duas pessoas andarão juntas se não tiverem de acordo?Amós 3.3

Um motivo muito sério para terminar um namoro ou noivado são planos de vida e ministeriais muito distintos. Por exemplo, o jovem e sua namorada, ou noiva, estão juntos, ele estuda medicina e ela é formada em nutrição. Poderia dar muito certo, mas somente ele tem o desejo de ir para o campo, e ela pretende continuar envolvida na igreja somente em seu contexto. Neste caso, existem dois posicionamentos, o rapaz abre mão do seu chamado ministerial, para se casar e ficar sempre com quem ama, ou, ele a deixa e cumpre a missão que Deus lhe deu, e quem sabe depois encontra alguém que o auxiliará.[ii] É uma decisão muito difícil não é? Com certeza! Por isto é necessário que tudo seja feito com mais lógica do que emoção. A experiência de algumas pessoas nos escancara que aqueles que entram em jugo desigual na questão de maturidade espiritual e desejos ministeriais são pessoas frustradas e que vivem em conflito por pensarem de maneira muito distinta.

Em vista deste exemplo, e você poderia imaginar muitos outros, sugiro que você antes de entrar, ou se você está, em um relacionamento, faça algo: conheça realmente a pessoa com quem você deseja, ou está, se relacionando.

Conheça a pessoa.

Seja intencional nas perguntas, veja se os planos se encaixam. Procure ver se a pessoa tem a missão de vida semelhante a sua. A Bíblia nos mostra que a mulher tem que ajudar o marido na missão que Deus deu a ele, ela é sua auxiliadora idônea.

Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea. Gênesis 2.18

Se o rapaz percebe que a moça não vai auxiliá-lo, então para que se envolver mais? Não tome esta atitude, somente piorará depois. Ou, se a moça vê que ela nunca auxiliará o marido naquilo que é o chamado de Deus para a vida dela, pense se valerá a pena a continuar, pois haverá mais lágrimas depois.

Outros motivos

Primeiro, se o casal não consegue controlar os hormônios: ou se casa, “Mas, se não conseguem controlar-se, devem casar-se, pois é melhor casar-se do que ficar ardendo de desejo” (1 Co 7.9). Caso não tenha como fazer o casamento, coloca um alto padrão de namoro, como a corte,[iii] para não ocorrer defraudação (1 Ts 4.6-8). Ou, termina o relacionamento, procura o amadurecimento e se prepara financeiramente para casar. No caso, adolescentes não procurem namorar se você não tem dinheiro nem pra pagar um lanche, quanto mais pra sustentar uma família, termine e espere o momento certo.

Segundo, se a pessoa te trata mal hoje, ela te tratará mal a vida inteira. Não se iluda. Principalmente vocês mulheres por serem mais emocionais, não deixe seus sentimentos te enganar.

Terceiro, se você não sente atração física pela pessoa, pense seriamente acerca disto, não tenha um relacionamento por dó, falo tanto para homens como para mulheres. Veja o exemplo em Cantares da atração do noivo pela noiva.

Quarto, se os pais não apoiam o seu relacionamento e mesmo assim você entrou nele, vale a pena repensá-lo. Primeiro, porque os pais são autoridades constituídas por Deus.

“Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo. ‘Honra teu pai e tua mãe’, este é o primeiro mandamento com promessa: ‘para que tudo te corra bem e tenhas longa vida sobre a terra’”. Efésios 6.1-3
E segundo porque imagine as consequências para o relacionamento familiar! No entanto, caso os pais sejam totalmente rebeldes a Deus e desejam que você se relacione com alguém que não é cristão, então, antes importa obedecer a Deus, do que aos homens (At 4.19).

Em quinto lugar uma outra questão é se você não tem certeza se esta é a pessoa com quem você quer casar. Esta questão é muito subjetiva, e você deve perguntar a si mesmo alguns dos princípios que vimos acima.

A decisão

Decidiu tomar esta difícil decisão? Então, feche todas as brechas possíveis, não carregue intrigas ou problemas. Se acerte com a pessoa, se necessário peça perdão por falhas ou até mesmo defraudação (1 Tessalonicenses 4.3-8).[iv] Por fim, procure manter um bom relacionamento com a pessoa, é claro dentro dos seus limites e respeitando o tempo de cura de cada um.

Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo. Efésios 4:32

Não posso falar: se for assim como vimos, então termine seu relacionamento. A decisão é sua. Digo por experiência própria que doeu quando terminei um noivado, mas hoje me alegro muito com minha linda esposa, a qual tem me auxiliado, sido benção em minha vida e sonhado comigo o mesmo futuro.

Reflita e saiba, as suas escolhas de hoje sem dúvida alguma resultarão nos frutos que você colherá no futuro. É melhor chorar um pouco agora do que lamentar-se a vida inteira, porque o casamento não é descartável, mas para sempre.












[i] Um amigo meu, William Carletti, da Primeira Igreja Batista de Amparo, levantou esta questão para mim em momento oportuno, pois não sabia ainda o que escrever. É o auxílio de Deus nos detalhes da vida.
[ii] Outro exemplo: Ele se tornará médico e não tem muito interesse pela igreja, mas ela é muito envolvida e participativa. Este é um caso de jugo desigual, quanto ao nível de maturidade espiritual e gerará problemas futuros, pois os dois serão frustrados em projetos de vida descompassados.
[iii] Este é um exemplo e sugestão para um namoro em santidade.
[iv] Explico o termo “defraudação” em meu artigo: Ficar é mesmo errado http://www.jovemcrente.net/2016/05/ficar-e-mesmo-errado.html.

Um comentário:

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação