Jovem Crente: Depressão - Introdução: lidando com o meu coração

Depressão - Introdução: lidando com o meu coração


A palavra depressão, no geral, é utilizada para descrever uma série de estados emocionais que se manifestam de diversas maneiras, seja por meio do comportamento ou dos sentimentos, e em diferentes níveis de gravidade. Edward Welch, conselheiro e membro do corpo docente da Christian Counseling & Educational Foundation (Fundação de Aconselhamento Cristão & Educação), apresenta a seguinte definição:
“Ela é chamada tecnicamente de depressão, apesar de não podermos expressá-la em uma só palavra. Você se sente entorpecido, mas ao mesmo tempo sua cabeça dói; sente-se vazio, mas ao mesmo tempo há gritos no seu interior; sente-se fatigado, mas os seus medos afluem. Aquilo que antes era prazeroso agora mal lhe chama a atenção. Seu cérebro está como que coberto permanentemente por uma neblina. É como se algo o puxasse para baixo”.
Como podemos perceber, enfrentar esse problema não é nada fácil! Entretanto, como cristãos, devemos encontrar respostas e auxílio para todas as nossas dificuldades na Palavra de Deus. Afinal, o que a Bíblia diz sobre a depressão? Na maioria de suas versões não encontramos o termo depressão, contudo, podemos encontrar diversas histórias que trazem descrições de sintomas que atualmente são relacionadas a ela.
- Jó ficou desanimado por causa de seu sofrimento e sentiu-se incompreendido por seus amigos.
“Minha vida só me dá desgosto; por isso darei vazão à minha queixa e de alma amargurada me expressarei” (Jó 10.1).
- Davi ficou abatido por causa dos efeitos físicos e psicológicos da sua enfermidade.
“Estou encurvado e muitíssimo abatido; o dia todo saio vagueando e pranteando.
Estou ardendo em febre; todo o meu corpo está doente.
Sinto-me muito fraco e totalmente esmagado; meu coração geme de angústia”
(Sl 38.6-8).
Os versículos acima constatam que até mesmo homens que amam e buscam a Deus podem passar por momentos de profunda tristeza. Nós cristãos podemos ficar abatidos, o que não é necessariamente pecado, mas não devemos nos entregar ao abatimento a ponto de desfalecermos. Isso sim é pecado! Em meio a situações adversas e complicadas, devemos nos lembrar de que Deus está presente e no controle de todas as circunstâncias. Algumas pessoas podem estar pensando: “Eu não consigo ser alegre e não me deixar ser controlado pelo abatimento, eu tenho uma personalidade diferente”. A seguinte frase do autor Jerry Bridges responde bem a esse tipo de pensamento:
“Certamente algumas pessoas são mais alegres por natureza do que outras, mas cada cristão deve evidenciar um equilíbrio de todas as virtudes do caráter cristão, independentemente de seu temperamento”.
A despeito de personalidades e temperamentos, manter os olhos fixos no Pai é, não somente a melhor maneira de manter-se longe do desfalecimento, como também a melhor saída para quem já desfaleceu. Jesus disse:
"Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus; creiam também em mim” (Jo 14.1).
Essas palavras, além de um conforto para o nosso coração, expressam uma ordem bem clara: Jesus chama os seus discípulos a não permitirem que as circunstâncias os controlem. É evidente que diversos fatores podem contribuir para o abatimento, entretanto, o desfalecimento não é resultado de nenhum deles, mas da nossa impiedade. Precisamos entender que a nossa verdadeira alegria vem de Cristo e, por esse motivo, não se baseia em circunstâncias instáveis, mas sim em um relacionamento estável com Deus. Vale lembrar que na Bíblia, enquanto chorar é permitido, alegrar-se é ordenado:
“Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se!” (Fp 4.4).
Devemos nos alegrar mesmo em meio a situações complexas, uma vez que podemos ter a certeza de que Deus tem um propósito maior para nós em meio a crises: ele quer que nós nos tornemos mais parecidos com Cristo e que estejamos mais bem preparados para sermos instrumentos dele na vida de outras pessoas. Não conseguiremos enfrentar ou evitar o desfalecimento por nossa própria força de vontade, mas podemos estar sempre alegres no Senhor, se lidarmos com os problemas da forma que ele deseja.
Vale lembrar que para além de suas características temperamentais, as situações que tem passado e sua personalidade, a depressão e suas manifestações podem sim ter relação com fatores orgânicos, como os mencionados pela Prof.ª Dra Márcia Gonçalves, em seu estudo entitulado “Depressão em patologias orgânicas – o melhor é prevenir”:
“As principais alterações químicas que ocorrem no cérebro do paciente envolvem três substâncias: a serotonina, a noradrenalina e a dopamina, em menor proporção. Alguns males, como distúrbios neurológicos, hormonais ou doenças cardiovasculares podem desencadear a depressão. Além disso, medicamentos podem estar relacionados com a doença. Álcool e drogas estão entre os fatores externos que mais causam a depressão.”

Como cristãos temos que entender que não importa a causa da depressão, isto é, se ela é decorrência de um desequilíbrio hormonal ou neurológico, ou se é resultado de uma situação difícil pela qual já passamos ou estamos passando, Deus continua sendo para nós a fonte de auxílio, consolo e capacitação para lidarmos com ela. Essas diferentes causas podem, como já vimos, contribuir para o abatimento, entretanto, o desfalecimento só vai nos consumir se não nos lembrarmos de que não somos controlados por hormônios, por situações ou por pessoas, mesmo que essas sejam coisas que nos influenciam. O fato é que a nossa estabilidade deve estar naquele que habita em nós e dirige cada área de nossa vida.
“Porque, aquilo que a Lei fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado. E assim condenou o pecado na carne, a fim de que as justas exigências da Lei fossem plenamente satisfeitas em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem vive de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz; a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à Lei de Deus, nem pode fazê-lo.

Entretanto, vocês não estão sob o domínio da carne, mas do Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vocês. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo. Mas, se Cristo está em vocês, o corpo está morto por causa do pecado, mas o espírito está vivo por causa da justiça” (Romanos 8:3-7, 9-10).







7 comentários:

  1. Olá. Sou cristã e tenho depressão. Quando percebi que algo estava errado e que não era simplesmente uma tristeza que se abatida, mas algo muito mais profundo, busquei ajuda em várias areas: emocional, física e espiritual. Busquei uma psicóloga para compreender o que estava acontendo; marquei consulta com vários médicos até chegar ao neurologista e descobrir a enxaqueca e a depressao; e falei com o pastor da minha igreja para orar comigo e por mim. Há mais de 12 anos trato do problema. E hj enfrento com Deus sabendo que haverão crises e que podemos suporta-las mas mantenho a medicação em dia e as consultas com o psicólogo.

    ResponderExcluir
  2. Quando sei que é a hora de buscar psicologo? Mesmo tendo uma cobertura espiritual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, não sei exatamente o que você quer dizer com "cobertura espiritual", mas se você está me dizendo que tem um acompanhamento espiritual com alguém habilitado em aconselhamento bíblico, ele poderá indicar para você quando é o momento de procurar um médico para perceber se fisicamente você está bem.

      Excluir
  3. Temos um corpo...não somos só espírito. Doenças do corpo abatem a alma e doenças da alma abatem o corpo. E é nesse corpo que o Espírito habita . Deus sabe de todas as nossas fragilidades ...E ele deu inteligência ao homem para desenvolver conhecimento médico e psicológico para tratar nosso corpo é nossa alma...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Milene, somos complexos. Creio que o temos dois cuidados a tomar. Primeiro quando usamos medicamente para tratar algo que não é físico, pode até nos dar algum conforto, mas precisamos ir mais à fundo. Segundo quando tratamos nossa alma com ajuda de profissionais que não levam em conta Deus e nossa espiritualidade.

      Excluir
  4. A depressão é uma doença que doi como qualquer outra. Enfraquece como um problema cardíaco...corta o ar como um problema respiratório...tira o sono e faz sofrer. Por que encarar uma doença como um pecado ou como fraqueza espiritual? Por que ensinar os jovens a não buscar ajuda e tratamento com especialistas? Deus deu ao homem sabedoria e Ele é o Senhor da ciência...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Milene, você tem razão em perceber que existem fatores fisiológicos envolvidos. Não estamos dizendo que o jovem não pode ter uma ajuda médica para problemas físicos. O que queremos enfatizar é que independente da raiz, seja ela espiritual por fruto de pecado ou fisiológica por alguma disfunção no organismo, todos nós precisamos desesperadamente de Deus para lidar com todas as áreas da nossa vida.

      Excluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação