Jovem Crente: Música na igreja

Música na igreja


Jovens amam música. Muitos jovens cristãos envolvem-se com música e participam dos ministérios de louvor em suas igrejas. Pensando nisso, escrevi este artigo voltado para nós, jovens que amam música e que, ao mesmo tempo, desejam servir a Deus com excelência nesta área.

Poucas coisas na vida me emocionam mais do que dirigir a igreja em adoração a Deus. Ver diferentes pessoas, com personalidades distintas, inúmeros desafios e lutas, juntas, exaltando a Cristo como se não houvesse outra coisa ao seu redor a não ser sua santa presença, faz com que, naqueles instantes, tudo o mais que me cerca perca sua importância diante da maravilhosa majestade de Deus. Estou longe de ser um grande músico, mas Deus tem me dado o privilégio de dirigir a equipe de louvor em minha igreja local já há algum tempo. Poucas coisas me dão mais prazer nesta vida do que adorar a Deus junto aos meus irmãos.

Há muito o que dizer sobre a música nas igrejas, precisaria de muitos artigos para escrever sobre isso. Mas quero falar aqui, um pouco, do que creio ser o mais essencial para o nosso entendimento sobre louvor e adoração, sobre a importância da música em nossa vida cristã e sobre quais são alguns critérios que devemos ter ao escolher as músicas que cantamos em nossas igrejas.

Antes, o mais importante é entendermos que a “adoração” realmente não se limita aos domingos ou aos momentos em que cantamos nos cultos. Estes momentos musicais são apenas uma pequena parte de nossa adoração, que gosto de chamar de “adoração em vida”.  “Tudo o que fizerem, seja em palavra ou em ação, façam-no em nome do Senhor Jesus, dando por meio dele graças a Deus Pai” (Cl 3.17). Tudo o que fazemos é para Deus. Se você não busca adorar ao Senhor em tudo o que faz durante a semana, não espere que vá agradá-lo com sua adoração aos domingos. 

Uma vez que entendemos isso, é muito interessante entendermos o papel que Deus separou para a música em nossas vidas.

Deus e a música

Deus foi muito claro ao deixar expresso na Bíblia que não apenas o louvássemos, mas que o louvássemos com música: “Ofereçam música a Deus, cantem louvores! Ofereçam música ao nosso Rei, cantem louvores!” (Sl 47.6). Por alguma razão, Deus não quer que nós apenas falemos seus atributos, mas que os cantemos. Deus de fato quer que a música faça parte da vida cristã. Mas qual seria o seu motivo? Gostaria de destacar três razões, baseadas nas Escrituras.

1. A música nos ajuda a lembrar de suas palavras.
É muito interessante perceber que um dos papéis da música, em toda a Bíblia, é lembrar o povo de Deus acerca do que ele lhes havia ensinado, ou então lembra-los de seus feitos. 

Uma das maiores canções registradas na Bíblia foi dada pelo próprio Deus a Moisés e a Josué, para ensinar e ajudar o povo a não se esquecer das ordenanças do Senhor (Dt 31.14-29; 32). A música também é usada em diversos lugares na Bíblia para servir de memorial sobre os feitos do Senhor, como em Nm 21.16-18, quando Deus deu água ao povo e este entoou uma canção para lembrar-se desse momento.

A música, portanto, deve nos fazer lembrar quem Deus é e o que Ele espera de nós. Paulo, em Cl 3.16, associa a habitação plena da Palavra em nós (não apenas o mero conhecimento bíblico) ao ato de cantar hinos e cânticos espirituais com corações gratos.

2. Deus quer que nossas emoções também se dobrem diante dele.
Deus deseja que o homem, como um todo, seja vencido pela cruz e sujeite-se a ele. Certamente isso também envolve as nossas emoções. Aquilo que sentimos e como sentimos também deve ser rendido a Cristo e a música é um grande instrumento de Deus para isso. John Piper, referindo-se ao livro de Salmos, certa vez disse que estes foram escritos para “alterar, ajudar, guiar e moldar nossas emoções” ¹ . 

Há um papel crucial das nossas emoções em nossa vida cristã e não podemos negá-lo. A música nos ajuda a canalizar nossas emoções e centralizá-las em Cristo. Quem nunca ouviu o Sl 23? Ele nos ajuda a lembrar de que o Senhor é o nosso pastor, que cuidará de nós mesmo nos momentos mais sombrios de nossas vidas. Saber disso nos fortalece, mas cantar esta verdade força nosso coração temeroso a crer que realmente podemos confiar em nosso bom pastor. 

3. É uma amostra do que encontraremos no céu.
Umas das coisas mais incríveis de podermos cantar ao Senhor é que isso nos faz imaginar e até contemplar, por alguns instantes, como será no céu. A igreja militante, formada por pessoas cheias de problemas, desafios e perdas pessoais, frustrações, enfermidades, perseguições, nos momentos de louvor cantados, exalta a grandeza e a majestade de Deus como se nada mais houvesse ao seu redor. Não há melhor remédio para a ansiedade, não há nada que nos permita contemplar melhor como será, um dia, a igreja triunfante. 

O livro de Apocalipse está repleto de canções (Ap 5.9,10; 5.12; 7.10; 15.3,4). Na eternidade nós cantaremos ao nosso Rei! E podemos ter uma palhinha disso quando o louvamos, como Corpo de Cristo, aqui na Terra.


Diante disso tudo, precisamos ter muito cuidado com o que cantamos em nossas igrejas.  Se o que cantamos serve para nos lembrar da Palavra de Deus, submeter nossas emoções à sua grandeza e ser uma amostra do que veremos no céu, as letras do que cantamos devem seguir estes propósitos. Além do que, obviamente, o maior critério para saber se uma música deve ou não ser cantada na igreja é se a sua letra é realmente bíblica. Por isso, gostaria de sugerir alguns passos que podem nos ajudar a descobrir isso.

1. O que a música me ensina sobre Deus ou sobre sua vontade?
Sim, músicas são um instrumento didático. Como vimos, Deus as usou para ensinar e lembrar ao seu povo acerca de suas leis. Músicas devem ensinar algo para quem as canta. Ao terminar uma canção em um culto, devo ter lembrado algo mais sobre quem Deus é ou o que Ele espera de mim (aliás, esta é uma das principais tarefas do líder de louvor). Músicas na igreja não são cantadas por serem legais ou simplesmente por mexerem com nossas emoções, mas acima destas coisas, para nos ensinar.

Paul Washer, em uma pregação sua sobre louvor e adoração, também falando sobre os salmos, disse o seguinte: “Se você escrever um livro sobre tudo o que a Bíblia ensina sobre os atributos de Deus, sabe o que vai descobrir? Que mais de 50% do seu livro virá do livro de Salmos. Você encontrará a maioria dos textos sobre os atributos de Deus no livro de Salmos. Portanto, nosso canto deveria ser teológico”²

Para você entender melhor, eu o desafio a ler a letra de duas músicas que são pouco conhecidas, mas que, certamente, tem muito a nos ensinar. Quando tiver algum tempo, abra sua Bíblia e leia Rm 11.33-36 (uma expressão de louvor de Paulo) e, principalmente, Cl 1.15-20 (um hino da igreja primitiva). Note como Paulo usou a música para ensinar às igrejas verdades profundas acerca do Senhor. Este segundo texto é, talvez, uma das porções com conteúdo mais cristológico de toda a Bíblia, e era um hino conhecido daqueles irmãos. 

Não subestime o papel da música nos cultos, Deus tem um propósito muito especial para o que cantamos.

2. Em quem a letra é centralizada? 
Em nosso país, se você quiser escrever uma música cristã que faça sucesso, escreva sobre como Deus pode te servir. Isso mesmo. Infelizmente, grande parte das músicas evangélicas brasileiras são totalmente centradas no homem. Ao invés de nos curvarmos perante a majestade de Deus expressa em canções, cantamos que a nossa vontade, uma hora ou outra, será satisfeita por ele. Cantamos que ele é todo poderoso somente para lembrar que ele pode atender a qualquer pedido meu. Meus irmãos, que desperdício! Deus nos deu a música para a sua glória e não para melhorarmos nossa autoestima! “A cruz liberta-nos de um equivocado amor egoísta em favor do amor apaixonado por Aquele que nos redimiu”³  . Coloque toda a sua identidade em Cristo e o louve por quem Ele é, independente do que Ele faça em sua vida, você já tem a maior benção de todas: a salvação! Cantar assim nos faz experimentar a verdadeira liberdade e alegria, que só há quando esquecemo-nos de nós mesmos e exaltamos a Cristo. Como Paulo disse, “Pois decidi nada saber entre vocês, a não ser Jesus Cristo, e este, crucificado” (1 Co 2.2).

D.A Carson escreveu em seu livro: “A adoração cristã é agora adoração da Nova Aliança; é adoração inspirada no evangelho; é adoração centrada em Cristo; adoração cujo foco é a cruz”4

Adoração sem Cristo não é adoração. Observe bem em quem a música centraliza sua letra antes de cantá-la na igreja.

3. Como é a música não cantada?
Esta foi uma das melhores dicas que aprendi para o momento em que tenho que decidir se um cântico novo deve, ou não, ser trazido à igreja. Bob Kauflin escreveu o seguinte: “a música tem esse poder de fazer letras superficiais parecerem profundas. Um ritmo envolvente pode fazer um verdadeiro disparate soar como algo profundo e induzir você a cantá-lo novamente. É por isso que costumo ler a letra antes de ouvir um CD ou de tocar uma música de uma partitura”5  .

Uma ótima dica para todos nós, leia antes de cantar, isso pode tornar-se muito interessante.


Sem dúvida, há muito mais que ser dito sobre músicas na igreja. Este é um tema muito controverso e que abrange muita coisa. Ainda poderíamos falar sobre ritmos, instrumentos, cantores, qualificações, talento X sinceridade, performance X devoção, excelência e vários outros assuntos, porém precisaria de um outro artigo para escrever sobre estas coisas. Pensando nisso, gostaria de indicar um livro que creio que todo líder de louvor, ou todo músico cristão deveria ler. Creio que todos os assuntos concernentes ao louvor são tratados de forma muito sensata e bíblica por ele. É o livro “Louvor e Adoração” de Bob Kauflin (KAUFLIN, Bob. Curso Vida Nova de Teologia Básica: Louvor e Adoração. São Paulo: Vida Nova, 2011). A leitura vale muito a pena.

Que Deus nos capacite a aproveitar e dedicar a ele, da melhor forma possível, esta dádiva que ele nos deixou. Que nossa música sempre o exalte e leve o nosso coração sempre para mais perto dele! 

___________________________
¹ Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=UQIPQokcj0o
² Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=OEzDIHafLWQ
³ KAUFLIN, Bob. Curso Vida Nova de Teologia Básica: Louvor e Adoração. São Paulo: Vida Nova, 2011. p. 97
4“Worship under the Word”, in Worship by the Book, ed. D.A Carson (Grand Rapids, MI: Zondervan, 2002), p.37.
5 Op. cit. KAUFLIN, Bob. 2011. p. 113
                                                                                                                  

Um comentário:

  1. Deus Abençoe amados, vossos escritos muito tem nos abençoado! De fato, nosso Deus tem sido engrandecido por meio de vós!
    Como foi supracitado, que mais do que louvar a DEUS apenas com nossos lábios, venhamos louva-lo com nossas vidas e corações, em todo o tempo! Obrigado...

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação