Jovem Crente: Ideologia de Gênero, o que é isso?

Ideologia de Gênero, o que é isso?


 

E aí galera, nesta semana vamos tratar de um assunto que tem gerado muita polêmica por aí: a ideologia de gênero e a sexualidade. Já falamos de vários assuntos polêmicos aqui (homossexualidade, tatuagem, política, masturbação) e duas coisas sempre estarão na mente de nossa equipe:
  1. Queremos entender qual a orientação da Bíblia sobre o assunto;
  2. Queremos amar as pessoas e odiar o pecado e nunca o contrário.
Seguindo estas diretrizes, mesmo aqueles que não acreditam na Bíblia podem ler nossos textos e debater as ideias, sempre aprovamos comentários que são educados, mesmo que sejam contrários ao que ensinamos. Então, vamos ao assunto!

A questão da ideologia de gênero


Quero tentar exemplificar a questão.

Quando eu nasci o médico saiu da sala de parto e disse ao meu pai: “É um menino!”.

Meus pais me registraram como Roberto, colocaram um macacãozinho azul em mim, deram-me carrinhos e começaram a me tratar como menino. Quando dei por mim, ser homem era o normal. E não era?

É aqui que entra o debate. Para os defensores da ideologia de gênero este processo é encarado como uma opressão, uma padronização. Ninguém perguntou para mim se eu queria ser homem ou se eu gostava de ser homem, apenas me trataram como tal e me ensinaram como eu deveria me portar. Além do mais, segundo eles, quem disse que existe apenas homem e mulher? Por que não podemos ter ‘outros gêneros’? E se eu não quiser ser nenhum deles? E se eu quiser me transvestir, viver como uma mulher mas também quiser gostar de mulher? 

Consigo perceber duas motivações por trás desse debate. A primeira está ligada aos movimentos feministas do século passado, os quais tinham dificuldade em lidar com a diferença entre homens e mulheres. Pareceu mais fácil eliminar as diferenças do que ensinar que nosso valor, sendo homens ou mulheres, é o mesmo, mas que nossas funções são diferentes.

Uma segunda motivação, bem menos filosófica, está ligada não à identidade de gênero, mas às práticas sexuais. Ser homossexual, dentro de uma sociedade que tem bem clara a distinção entre homem e mulher, é mais difícil do que em uma sociedade sem estas fronteiras.

Quem decide?

A primeira coisa que precisamos lembrar é que os gêneros existem e foram criados por Deus. Não são meramente uma invenção da sociedade e da cultura e nem uma imposição dos pais. A Bíblia diz que Deus nos fez homem e mulher.

"Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou" (Gn 1.27)

Ele não somente criou os gêneros como também está intimamente ligado à minha criação, ou seja, quem me fez como sou foi Deus, e se nasci com um pênis ao invés de uma vagina, não foi por acaso, Deus me fez assim e eu devo agir com base nisso.

"Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe" (Sl 139.13)

É muito comum querermos distorcer o que Deus fez e seguirmos nossos próprios desejos. Vemos que os planos de Deus são melhores que os nossos (Is. 55.8) e o nosso próprio coração nos engana (Jr. 17.9). 
Observe que em Efésios (texto abaixo) é descrito como seguimos influências que são contrárias a Deus, seguimos o príncipe deste mundo que é Satanás mas, principalmente, seguimos nossos próprios desejos.

"Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados, nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência. Anteriormente, todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por natureza merecedores da ira" (Ef 2.1-3)

Deus é o criador do universo, ninguém tem maior sabedoria que ele e nós, simples criaturas com síndrome de grandeza, imaginamos que o mundo gira ao nosso redor e que sabemos o que é melhor para nós mesmos.

Síndrome de “deus”

Não é a primeira vez que pessoas fazem isso, imaginam-se mais sábias do que Deus. Em Romanos capítulo 1 vemos o exemplo disto, homens se acharam mais inteligentes do que Deus. O texto diz que deixaram de adorar a Deus, ele deixou de ser o centro de suas vidas, e em lugar dele, a criação foi adorada. 

"...porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram" (Rm 1.21)

Defender a ideologia de gênero é o cúmulo da idolatria. É dizer que Deus não tem o direito de me fazer como ele quer, homem ou mulher, e que eu decido o que sou.

Continuando o texto em Romanos, vemos que os homens que seguiram por este caminho entraram em pecados de imoralidade (Rm 1.26-31). E, se é Deus quem cria, ele tem o direito de decidir, durante a formação no útero da mãe, quem é homem e quem é mulher. Quando ajudamos crianças a serem o que Deus quer que elas sejam, não estamos oprimindo ou limitando mas sim, permitindo que elas sejam quem Deus determinou que elas fossem.

A questão envolvida nisso é tão séria que neste texto a Palavra fala que a ira de Deus recaía sobre quem pensava e vivia assim.

"Portanto, a ira de Deus é revelada do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça" (Rm 1.18)

Nosso desejo é que você reflita sobre como Deus o criou, que você desenvolva uma vida voltada para a glória dele e que esteja disposto a levantar a bandeira em relação a alguns assuntos que, por mais que sejam interessantes e atuais, na verdade refletem um anseio enorme de grupos que querem moldar a sociedade baseado em seus próprios desejos e não nos desejos de Deus.
Revisado e corrigido por Esther Ehlert


12 comentários:

  1. Legal, direto ao ponto, bem embasado biblicamente. Abraço

    ResponderExcluir
  2. Sou espírita mas gostei muito do ponto de vista.

    ResponderExcluir
  3. Concordei como um todo, sou cristão, mas não vejo pecado na ideologia de gênero. No passado diversas leis, hoje abolidas (civis/cerimoniais), decretavam regras para a cultura da época baseadas na, diga-se de passagem, imutável lei de Deus. Hoje possuímos apenas esta lei como regra, mas o que me impedia de vestir uma roupa por aquilo definir sexualidade foi apagado, pois hoje temos (ou deveríamos ter) uma mente suficientemente inteligente pra entendermos que se um homem colocar um salto ele não será menos hetero que ninguém e nem estará quebrando o mandamento do "não adulterarás". Não estou dizendo que devemos nos vestir assim (não na cultura atual), e sim que sexualidade não está definida na roupa, por esse olhar, obrigar-me a usar macacão azul é opressão sim. E se eu não tentar passar a idéia de um sexo que eu não sou (me declarar mulher sendo homem, por exemplo), não haverá pecado nenhum, biblicamente falando. Quando olho pra campanha da C&A, por exemplo, me deparo com o extremismo e imaturidade da parte de muitos ditos cristãos. A lei de D--s não muda, mas seus ensinos se adaptam à cada sociedade/cultura. Pois, assim como no passado um homem que usasse calça apertada ou usasse rosa estava em pecado e não mais hoje, assim estamos no presente passando por mais uma transição, e se isso não ferir nossos princípios cristãos não podemos cometer o erro de julgar como alguns irmãos do passado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cara não me leva a mal, mas achei mó viajem o que tú escreveu aí. A questão não tá na roupa, mas na atitude e no comportamento. A questão só está na roupa quando ela define um padrão de comportamento.
      Exemplo: sou homem, se uso batom em uma cultura aonde o batom é definido como acessário feminino, eu estou escandalizando as outras pessoas, e portanto, meu comportamento está refletindo uma rebeldia social fora do padrão bíblico, e desnecessário, em outras palavras, porque eu faria isso se não fosse pra chocar as outras pessoas ? E o que eu ganharia, como cristão, em deixar as outras pessoas chocadas ?
      Por outro lado, não posso impor um padrão de comportamento a pessoas que não tem um compromisso com a palavra de Deus, ou seja, elas fazem o que querem, ou melhor, o que foram ensinadas a fazer. Logo, não cabe a mim julgá-las, mas não serei como elas por ferir um padrão de comportamento esperado de um cristão, não somente por outros cristãos, mas observado pela própria sociedade que julga as nossas palavras através de nossas ações.
      Logo, recomendo a você não se vestir como mulher, ok ?...rs... e principalmente, cuidado quando fala: "...mas não vejo pecado na ideologia de gênero...", porque essa ideologia não se trata de roupa ou moda mas de sexualidade, imoralidade e comportamento fora dos padrões idealizados por Deus, ela defini, claramente, o fim da definição "homem" e "mulher", e determina: "pode escolher o que vc quiser".

      Excluir
    2. Se de fato os ensinos de Deus se adaptarem as culturas e sociedades, como você disse, teríamos o seguinte:
      A Bíblia na Alemanha não poderia conter os versículos onde afirma que zoofilia é abominação, a da Holanda teria que omitir o trecho que nosso corpo é templo do Espírito Santo para adequar-se ao uso legalizado de drogas e a prática da prostituição, etc.
      Dá pra imaginar como seria um mundo onde o Criador tivesse que se adequar a criatura?

      Excluir
  4. Como muitas pessoas estão precisando ler sobre isso! Obrigada autor! Deus o abençoe!

    ResponderExcluir
  5. Amei ,sou Cristã ,e tem tudo a ver com a palavra de Deus .
    Me segue no meu blog: vida da Jack blogspot.com bjs..

    ResponderExcluir
  6. "Para os defensores da ideologia de gênero este processo é encarado como uma opressão, uma padronização. Ninguém perguntou para mim se eu queria ser homem ou se eu gostava de ser homem, apenas me trataram como tal e me ensinaram como eu deveria me portar. Além do mais, segundo eles, quem disse que existe apenas homem e mulher? Por que não podemos ter ‘outros gêneros’? E se eu não quiser ser nenhum deles? E se eu quiser me transvestir, viver como uma mulher mas também quiser gostar de mulher?" Que deturpação sobre a identidade de gênero enorme, recomendo ao senhor estudar mais.

    ResponderExcluir
  7. Concordo com o pos, esta tudo muito bem explicado.
    Que Deus abençoe o autor.

    ResponderExcluir
  8. Adorei pois voc mostrarão os dois lados o lado da pessoa homofóbica que se tranferil de sexo e da pessoa que nasceu sendo homem homen ou mulher mulher tenho alguns problemas mas estou conseguindo controlar problemas de identificação de mi tentando descobrir oque eu sou por parte de seus não oque eu sou por parte de mundo porque eu nasci e porque eu passo por detrás coisas mais obg pela ajuda gente adorei

    ResponderExcluir
  9. Ótimo texto!
    Seria tudo muito mais fácil se a sociedade entendesse que não existe o fato de nascer em um corpo errado. Deus criou tudo na mais perfeita harmonia e Ele nos fez, porque somos feitura Dele.
    Abraços!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação