Jovem Crente: Eu e a faculdade

Eu e a faculdade


A faculdade é um sonho para muitos. Estudar aquilo que queremos como profissão e concluir tal curso é a busca da grande maioria. Mas em meio a tudo isso muitas vezes os jovens são questionados quanto a sua fé. A minha pergunta é: você está pronto para defender a sua fé na faculdade?

Nós temos a ideia de que o ambiente acadêmico é tranquilo e que ele só nos formará profissionalmente, mas essa ideia está completamente errada. Com o decorrer do tempo, temos visto que esses ambientes são autoritários e formadores de opinião. O que eu quero dizer com isso? Os ambientes acadêmicos contam com professores que tem uma filosofia de vida. Normalmente essa filosofia permeia todo o seu viver, inclusive os seus ensinos.
Como eles são pessoas na maior parte das vezes bem formadas, acabam colocando suas cosmovisões (a forma como enxergam o mundo) de uma maneira muito convincente.  Alguns tem um ponto de vista não cristão que ganha muitos, principalmente aqueles que não sabem muito bem no que acreditam.

Em uma pesquisa feita pelo Instituto Norte Americano de Pesquisa e Estatística Cristã, Barna Group, vemos que somente 30% dos jovens continuam sendo cristãos durante os estudos na universidade, 10% se tornam completamente ateus e 40% se afastam da igreja. Talvez você se pergunte o porquê de tais números. Por que tantos jovens criados na igreja acabam deixando a sua fé de lado ao chegarem na faculdade?

Eu tentarei pontuar duas das maiores causas que eu tenho visto como responsáveis por isso.

1. Questionamentos sobre a vida e Deus

Muito jovens chegam na universidade após terem vivido em círculos protegidos, como o seu próprio lar e a igreja. Por isso não estão preparados para enfrentarem muitas das argumentações que lhe são feitas acerca: da religião em geral (uma construção humana para responder aos anseios e temores humanos); de Deus (não existe ou então existe, mas é impessoal e não se relaciona com o mundo); da bíblia (um livro meramente humano, repleto de mitos e contradições); de Jesus Cristo (nunca existiu ou foi apenas um líder carismático); da criação (é impossível, visto que a evolução explica tudo o que existe); dos milagres (invenções supersticiosas, uma vez que conflitam com os postulados da ciência), e assim por diante.

Dúvidas que deveriam ter sido cuidadas e trabalhadas na igreja, agora podem destruir a fé. Porque as universidades em sua grande maioria são compostas de não-cristãos, quem se encontra nessas crises não tem apoio. Mesmo quando pede ajuda para essas questões em suas igrejas, recebem respostas como “você deve orar mais”, “você está questionando Deus?”, “você não tem fé!”. O que eu quero trabalhar aqui é que qualquer cristão que entrar em um ambiente acadêmico terá questionamentos e isso não é necessariamente ruim.

Dúvidas devidamente sanadas produzem convicções, pois fazem com que lidemos com aquilo que realmente cremos, se de fato nós cremos! Portanto, eu preciso ter em mente o que eu acredito e o porquê acredito. Nós vemos várias pessoas na bíblia questionando a Deus, mas a diferença deles para muitos hoje é que eles estavam de fato procurando uma resposta. Deus nos responde, mas muitas vezes demora mais do que estamos dispostos a esperar. É preciso maturidade e compreensão para entender qual a resposta de Deus para as questões da vida e isso necessita de tempo para compor-se de forma correta. E em meio a essa espera, muitas vezes o nosso questionamento é só uma válvula de escape para dizermos que não é possível acreditar e continuar crendo em um Deus que não dá respostas, quando na verdade não estamos dispostos a buscar e esperar por uma.

Pedro deixa claro que devemos estar “sempre PREPARADOS para responder a QUALQUER pessoa que nos pedir a RAZÃO DA ESPERANÇA que há em nós” (1 Pe 3.15). Primeiramente isso parte de uma vida devocional, assim como Pedro falou nos capítulos anteriores antes de entrar nesse versículo. Um dia-a-dia que procura mais a Deus e as respostas para as questões da vida. Quanto mais nos questionarmos, procurando por respostas, mais seremos capazes de defender o que acreditamos. Além disso temos que conhecer aquilo que os outros pensam, para termos em mente o porquê não pensamos como eles! Os cristãos hoje têm sido considerados “burros” no meio acadêmico, mas nós temos vários nomes de peso que defenderam a fé cristã, como por exemplo Cornelius van Til, C. S. Lewis, Francis Schaeffer, R. C. Sproul, John Stott, Alister McGrath e outros, que têm utilizado não somente a bíblia, mas a teologia, a filosofia e a própria ciência para debater essas falsas acusações contra o evangelho. Para eles, a bíblia e a ciência caminham juntas! Os cristãos são vistos como burros por comprarem um discurso pronto e falido do NÃO! “Porque você não faz isso?”, “Porque você não vai ali?”, “Por que?” – Porque alguém disse que não, não se para nem para questionar porque faço o que faço, ou porque não faço certas coisas!

Em meio a isso, creio que muitos dos jovens que dizem perder a sua fé na faculdade, na verdade nunca tiveram uma fé de verdade. Pois, como eu posso crer em algo que eu digo ser o motivo da minha vida se não vivo em busca de respostas para ela? (1Jo 2.19-24)

2. Sensação de Falsa Liberdade

Outra coisa que faz com que muitos desistam da “fé” é a sensação de falsa liberdade. Como maiores de idade, vemos os universitários tendo um acesso muito fácil a tudo o que pode se imaginar. Sexo, drogas, balada, mulheres/homens e muitas outras coisas. Mas será que essa liberdade é real e compensadora? Nós vemos jovens viciados, infiéis a qualquer parceiro, afundados no pecado e cegos a tudo que está a sua volta.

Se você se importa mais em formar-se como universitário do que em conformar-se a imagem de Cristo, talvez você nunca tenha sido de fato um cristão. E a faculdade só vai fornecer a “liberdade” que você necessita para você descobrir que na verdade nunca creu em nada do que dizia. Na maioria das vezes a faculdade não muda ninguém, ela só traz à tona o que já estava no coração da pessoa!

Por isso, quando você pensar em liberdade, lembre-se primeiro do amor de Deus. Ele é tão libertador que lhe dá uma escolha, mas essa escolha terá reflexos eternos. Será que prazeres temporais são tão compensadores assim para eu trocar os eternos por eles? Será que é tão bom assim ter essa “liberdade” que tem matado tanta gente e viciado outros mais? Essas atitudes cometidas na faculdade irão ter consequências no futuro, sendo que muitas delas não serão boas! Deus lhe dá a liberdade através do seu Espírito, mas a questão é que em meio a escolha de pecar ou não a faculdade só te ensina um único caminho: o mais óbvio de todos – PEQUE!

“Examinem-se para ver se vocês estão na fé; provem a si mesmos” (2 Co 13.5).

Conclusão

- Procure respostas para os seus questionamentos (na bíblia).
- Caminhe junto com pessoas que são da mesma fé (porque é muito difícil passar por todo esse processo sozinho).
- Peça ajuda a Deus e busque saber como você pode ser usado na universidade que frequenta.
- Busque uma fé genuína que lhe de forças para continuar firme, crendo que Deus é Deus!

“Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança. E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês sejam maduros e íntegros, sem lhe faltar coisa alguma.”
Tiago 1.2-4

Sugestões bibliográficas:

- CRAIG, William Lane. A veracidade da fé cristã: uma apologética contemporânea. São Paulo: Vida Nova.
- JOHNSON, Phillip. Ciência, intolerância e fé. Viçosa, MG: Editora Ultimato, 2004.
- JOHNSON, Phillip. As perguntas certas. São Paulo: Cultura Cristã, 2004.
- LARSEN, Dale e Sandy. Sete mitos sobre o cristianismo. São Paulo: Vida.
- MacARTHUR, JR., John. Criação ou evolução: a luta pela verdade sobre o princípio do universo. São Paulo: Cultura Cristã, 2004.
- SCHAEFFER, Francis. A morte da razão: a desintegração da vida e da cultura moderna. São Paulo: Cultura Cristã, 2002.
- SCHAEFFER, Francis. O Deus que intervém: o abandono da verdade e as trágicas consequências para a nossa cultura – a única esperança na verdade histórica do cristianismo. São Paulo: Cultura Cristã, 2002.
- STOTT, John. Por que sou cristão. Viçosa, MG: Editora Ultimato.
- STROBEL, Lee. Em defesa da fé. São Paulo: Vida, 2002.



7 comentários:

  1. Eu concordo com tudo. Muito bom o trabalho de vocês. Sabendo que vocês poderiam deixar isso pra lá e cada um por si. Mas não, vocês se preocupam, e isso é a coisa mais linda que o ser humano pode ter em si.
    Que vocês sejam sempre guiados por Deus!
    Seus textos me confortam muito..
    Ah, eu vejo também que vocês são educados, e nem todos são assim.
    Show !!!

    ResponderExcluir
  2. Então se eu vivi a vida toda estudando a finco dentro dos grupos religiosos, fui muuitoo fiel a minha religião, sempre questionei as dúvidas dentro dela, sempre busquei as respostas na fé, sempre fui a melhor pessoa possível andando dentro da filosofia cristã, e passei apenas 4 anos na universidade estudando história,e o contexto da vida social desde os primórdios,e encontrei com meus próprios olhos em milhares de livros as barbáries e assassinatos em massa que as religiões cometeram e cometem até hoje em nome de deus pra dominar os povos, quer dizer que toooodoos os anos que estudei minha religião, por mais de 2 décadas dentro de um só livro que não foi suficiente, a culpa ainda é minha por que não tive fé?!?!?!?! Faça me um favor! Como você mesmo disse: Quando os fiéis vem buscar questionamentos dentro da igreja,ninguém sabe fazer nada e saimos sem respostas. E por que não há respostas acusam muitos de endemoniados, doentes, possuídos, anticristos, bestas, e outros vários adjetivo mais. Se deus tem demorado tão mais para nos atender como fiéis, será que ele já não está nos oferecendo a emancipação forçada??? Deus dá o livre arbítrio e carrega os fiéis despercebidos em seus braços nos piores momentos da caminhada, portanto se a resposta não veio, e por isto aquela fé se modifica, talvez seja a seleção natural das espécies de Darwin, que me está sendo apresentada também por deus. Só sobrevive a espécie que for necessária.

    ResponderExcluir
  3. Mas que antidemocrático!!!Jesus se deixou ser julgado em praça pública e não manipulou a opinião de ninguém e nem calou a opinião de ninguém hein! Vamos rever qual cristianismo estão caminhando. Obrigada , de nada.

    ResponderExcluir
  4. Kelly, creio que quando falo sobre a bíblia, não estou de forma nenhuma falando sobre religião. A bíblia foi criada por Deus e a religião pelos homens! Sei que a igreja tem deixado "muito a desejar" no que diz respeito a respostas aos questionamentos da vida. Por isso, também há a necessidade de procura e expansão do conhecimento. Tenho estudo a teologia, filosofia, antropologia, dentre outros campos e posso dizer que cada vez minha fé se solidifica mais. Inclusive, junto a ciência e tudo aquilo que ela nos conduz em termos de pensamento, vejo que o universo depende de um criador, já que uma das pressuposições da ciência é que nada é criado a partir do nada, sendo assim, também concluímos que a combinação instrumental e complexa da natureza não poderia ter se dado simplesmente por uma mera explosão. Mas aqui eu quis só expor a minha opinião, assim como você tem total direito de dar a sua, pois isso sim compõe a democracia. Desculpe se pareci arrogante ou mesmo prepotente em meu texto, mas o que questiono é a necessidade de questionamento que se chega a respostas. Ninguém gosta de viver em meio a dúvidas. E sabemos que para que tenhamos uma fé, seja em Deus ou em qualquer outra coisa, precisamos de fato construir convicções a respeito.

    ResponderExcluir
  5. A bíblia foi escrita por homens, inclusive vários deles,e em épocas diferentes e muito distantes da realidade de que Cristo viveu. Essa manipulação é pura prosopopéia flácida para acalentar bovinos. Esta desculpado. E desculpe também pela indignação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É justamente isso que a faculdade ou professores fazem com a nossa mente quando não temos base suficiente ou fé suficiente. Querem que sejamos iguais a eles: nas ideologias nas práticas e pensamentos, por isso, usam de todo poder e conhecimento que têm para impor isso aos demais... É bastante complicado isso, sou universitária, e já percebi muita coisa, mas ainda sou uma mera iniciante. Indo para 4º período já me deparei com situações que eu sabia com toda minha força que era mentira, mas não tinha conhecimento suficiente para defender. Por isso, devemos nos aprimorar não somente em estudos seculares, mas estudar a Cristo e estudar as escritura, pois como vamos acreditar em algo que não nos interessamos? E cada vez que eu estudo as escrituras percebo que homem nenhum é capaz de fazer o que Cristo fez. Que cada ideologia dessa vem dos primórdios da sociedade que foi manipulada fortemente a pensar que tudo é relativo, se é relativo não existe certo ou errado. Se não existe certo nem errado não existe leis, nem regras nem Deus! Existe o homem dentro da sua caixinha intelectual pensando ser o imbatível e caindo em seus próprios pecados e desejos mundanos. Mas que Cristo abra os olhos de muitos universitários fazendo cair as escamas para que possam enxergar a realidade.

      Excluir
    2. "Eloquência, conhecimento da verdade, talentos raros, misturados com amor, constituem todos eles preciosas dotações. Mas a habilidade somente, talentos somente, ainda que os mais lindos e melhores para mim não podem tomar o lugar do "Amor"."

      Abraço

      Excluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação