Jovem Crente: A desvalorização da devoção

A desvalorização da devoção


No “mercado” da fé a devoção está em baixa. As pessoas buscam prosperidade, felicidade, sucesso, alegria, tranquilidade, e tantas outras futilidades. O prazo para elas é o agora, querem a qualquer custo sua vontade realizada, e, se for necessário algum tipo de magia, até isso pode ser conseguido. Se esta fosse apenas a busca dos que não conhecem a Deus seria menos triste. Mas o povo de Deus, que em tese deveria conhecê-lo, tem buscado mais estas coisas do que ao próprio Deus. A igreja, que era para ser o referencial e o modelo na terra, não tem cumprido com o seu papel por falta de conhecimento. Parece que ouço ecoar: “O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento” (Os 4.6).  No passado isso ocorreu com os líderes, e hoje é da mesma forma. Aqueles que eram para ser irrepreensíveis, curvam-se aos prazeres que lhes são oferecidos, se vendem à popularidade, buscam apenas aumentar suas posses e lutam pelo poder sobre o rebanho.

Em meio a esta situação caótica, a devoção simplesmente perdeu o seu valor. Muitos estão fascinados demais com aquilo que esta breve vida lhes oferece, o vento e a neblina (Tg 4.14). Muitos deixaram a devoção porque ela não é prioridade, ou não tenha o mínimo grau de importância em suas vidas. Mas, daquilo que é essencial, não se abre mão. Você já viu alguém ficar um mês sem beber água? Agora, quanto tempo você já viu alguém ou até a si mesmo, ficar sem ler a Palavra e orar?

O ritmo do Eterno

Não siga o ritmo frenético que este mundo lhe impõe, ao contrário, choque e incomode este mundo, ao mostrar-lhe que os seus valores são superiores (1 Pe 4.4,5). Você não vive mais à luz dos poucos anos desta vida, mas sim à luz da eternidade. O seu ritmo é voltado para a eternidade, e assim, ela determina a história por meio de você (2 Co 4.16-18).

Você como filho de Deus deve se relacionar com o Pai (Rm 8.14-17) e viver como alguém que entendeu a eternidade, ou seja, sempre conhecendo mais ao Pai e ao Filho (Jo 17.3). Você tem somente esta vida, não a desperdice, não a jogue fora. Coloque como prioridade em seu dia um tempo devocional, o qual será um momento de ler a palavra, orar, se humilhar, reconhecer seus pecados e agradecer (Mt 6.6; Fp 4.6,7; 1 Ts 5.18; 1 Pe 5.6,7). Também sempre que possível vá a algum lugar comtemplar a criação e seu Criador (Sl 19).

Seja um salmista

Aprenda com o livro de salmos, porque os salmistas ensinam o zelo, o amor, a entrega sacrificial, a paixão, a renúncia e a gratidão, que existiam em suas vidas, pois sabiam quem é Deus e quem eles eram. Que você venha a ter sede da comunhão com Deus, como Davi que no deserto de Judá declarou: “Ó Deus, tu és meu Deus forte, eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja; como terra árida, exausta, sem água” (Sl 63.1). Sinta o peso dessas expressões, sinta a profundidade e intensidade contidas nelas, e, por fim, aprenda com os salmistas e deixe as expressões deles fazerem parte de suas orações.

Meu conselho é que o seu tempo devocional seja prioridade máxima em sua agenda diária. Ore e leia a Palavra todos os dias, e quando possível jejue, como John Piper diz: “Jejum é fome por Deus”. Busque ao Senhor com todo o seu coração, e com certeza você o encontrará todos os dias.



Um comentário:

  1. Muito edificante e confrontador!!! Deus o abençoe meu irmão!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação