Jovem Crente: Pai, estou com medo!

Pai, estou com medo!


Vou abrir meu coração para vocês: morro de medo de bichos que fazem “crec” quando morrem. Sim, esses pequenos bichos (às vezes não tão pequenos assim) causam uma mistura de sentimentos dentro de mim e me fazem ficar paralisada, sem saber ao certo como agir. E você? O que você teme? Qual o seu pior medo?  
Talvez o seu medo não esteja relacionado a insetos ou qualquer outro animal; talvez você tenha pavor de altura, de filmes de terror ou de ficar presa em lugares fechados. Ou, assim como eu, você também tenha medo do futuro, medo de perder aquilo que Deus tem para você, medo de deixar a rotina tirar o seu foco de servir a Deus, medo de receber “nãos”, medo de arrependimentos... E é complicado lidar com medos, não é mesmo? Mas talvez a complicação toda venha somente porque insistimos em não lidar com eles do jeito que o nosso Pai nos ensina.

O que é o medo?

Medo é definido como uma “perturbação resultante da ideia de um perigo real ou aparente ou da presença de alguma coisa estranha ou perigosa” (Dicionário Michaelis). Dessa definição podemos já perceber que nem todo medo é real, e ouso dizer que a maioria deles não o são.


De acordo com as Escrituras, o medo relaciona-se com tormento (1 Jo 4.18) e com escravidão (Rm 8.15). Ele gera em nós um sentimento que nos controla e que nada tem a ver com o amor de Cristo, pois “aquele que teme não é aperfeiçoado no amor”. O tormento gerado pelo medo está ligado à ansiedade e à nossa incapacidade de controlar as circunstâncias.

A verdade é que o medo nos faz tirar os olhos de Cristo, e coloca-os nas situações em que estamos inseridos. Um exemplo disso é o aconteceu com aqueles homens que estavam no barco com Jesus, quando foram atingidos pela tempestade (Mt 8.23-27). A resposta de Jesus a eles indica que a presença do medo também está ligada à ausência de fé. Pedro é outro exemplo, na ocasião em que estava andando sobre as águas, na direção de Jesus. Ele estava indo bem, até o momento em que tirou os olhos de Cristo e reparou no vento... E ficou com medo... E começou a afundar, gritando para o Senhor o salvar (Mt 14.30).

Frutos do medo

O medo, se não for controlado, dá frutos. Ele nos paralisa, nos faz deixar de andar na direção de Cristo. Ele desperta coisas ruins em nós e abre brechas para que deixemos que a nossa carne fale mais alto. O nosso medo de perder o controle, de ser humilhada, exposta, medo da fraqueza ou medo da perda pode nos deixar suscetíveis a atitudes violentas e absurdas, como “explodir” e descontar em outros o que estamos sentindo. Foi exatamente isso que aconteceu no início da história de Moisés, quando os egípcios temiam o domínio dos hebreus em seu país, o que os levou a atitudes tiranas e de opressão sobre o povo de Deus (Ex 1.9-14).

Além disso, o medo pode nos levar a querer manipular situações e a agir dando o nosso “jeitinho” nas coisas. Eu temo mais a situação, ou mais a homens, do que temo ao Senhor. E se isso é um reflexo verdadeiro do meu coração, com certeza eu estarei disposta a pecar e a abrir mão do meu compromisso com o Senhor por algo que não vale a pena e que trará amargas consequências (Pv 29.25).

Temer o futuro ou situações que nem são reais são atos de clara desobediência às ordens de Deus e, como tais, devem ser tratados como pecado (confissão, arrependimento, mudança de atitude – Ef 4.22-24). O medo nos leva a esquecer quem Deus é, a desconsiderar tudo o que Ele já fez e a perder a esperança naquilo que Ele fará. Não podemos, portanto, sucumbir ao medo...

Sim, mas como?

Não temos motivo para temer... Já percebeu quantas vezes nas Escrituras encontramos a advertência “Não temas”? O nosso Mestre disse isso diversas vezes... E Deus com certeza quer nos ensinar algo através dessas repetições. Ele nos orienta a não temer aquilo que as pessoas do mundo temem (1 Pe 3.12-14), porque Ele nos dá a Sua paz. Não ter medo não é uma opção, é uma ordem. E a obediência a esse mandamento é uma prova do nosso amor e reverência a Deus (Jo 14.23-27).


Na nossa vida enfrentaremos situações que nos causarão medo. Mas o segredo para lidar bem com elas é deixar que a Palavra seja aquilo que irá nortear as nossas ações, e não o nosso coração enganoso e corrupto (Jr 17.9). Devemos guardar conosco a sensatez e o equilíbrio, algo que só a Palavra de Deus é capaz de nos dar, para que vivamos as nossas vidas sem medo, seguras no Senhor (Pv 3.21-26).

Sendo os caminhos do homem agradáveis ao SENHOR, até a seus inimigos faz que tenham paz com ele.” Pv 16.7

Por mais difícil que seja a sua situação, não temas! Assim como Davi, busque se reanimar e fortificar no Senhor (1 Sm 30.6). Seja humilde e peça a ajuda de Deus para lidar com aquilo que você não sabe. Disponha o Seu coração a compreender e a humilhar-se perante Deus e Deus virá ajudá-la (Dn 10.12). Só Ele pode nos ajudar a fazer o que for preciso, e a ter um espírito tranquilo e um coração puro, atentos à Sua voz. Portanto, querida amiga, olhe para Ele e não temas!

Um comentário:

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação