Jovem Crente: Aprendendo com Rute - Parte 1

Aprendendo com Rute - Parte 1


Apenas quatro capítulos, mas muito significativos (e românticos). É assim o livro de Rute. Ela foi um exemplo de mulher, Boaz foi um exemplo de homem e eles, juntos, foram um exemplo de casal segundo o coração de Deus. Quero compartilhar aqui o que tenho aprendido em cada capítulo do romance deles... Espero que, como eu, você também seja desafiada a buscar transformação pela graça de Deus! (Se você ainda não conhece a história, leia aqui. É bem curtinha!)





Primeiro as damas... Vamos começar com Rute...



Capítulo 1

Quando seu marido morreu e sua sogra disse que iria voltar para Israel, Rute poderia ter pensado que seria mais seguro permanecer em sua terra. Talvez voltar para a casa de seus pais e começar a procurar um novo marido. Mas nada disso passou por sua mente. Ela sequer hesitou. Não buscou o que lhe seria mais conveniente. Sabia que Noemi precisava dela. Buscou o que seria melhor para a sua sogra.

Noemi hesitou. Não sabia se podia deixar Rute tomar essa decisão. Rute, porém, jurou que a acompanharia aonde fosse. Ela estava determinada a abrir mão de si mesma por amor a Noemi. Além disso, Rute reconheceu o Deus de Israel como o seu Deus pessoal a partir daquele momento. O amor e a lealdade que ela demonstrou ao agir assim, são radicais e emocionantes.  


"Não insistas comigo que te deixe e não mais a acompanhe. Aonde fores irei, onde ficares ficarei! O teu povo será o meu povo e o teu Deus será o meu Deus! Onde morreres morrerei, e ali serei sepultada. Que o Senhor me castigue com todo o rigor, se outra coisa que não a morte me separar de ti!" Quando Noemi viu que Rute estava de fato decidida a acompanhá-la, não insistiu mais. (Rt 1.16-18)

E nós? Nos dedicamos aos outros como Rute? Colocamos os interesses dos outros acima dos nossos? Estamos dispostas a abrir mão do nosso egoísmo, dos “nossos direitos”, daquilo que seria mais conveniente e confortável, para abençoar os outros? Nossas atitudes demonstram o mesmo amor, a mesma lealdade, a mesma devoção?


Capítulo 2

Ao chegar em Israel, terra estrangeira, Rute logo se pôs a trabalhar. Tomou a iniciativa de dizer à sogra que iria recolher espigas no campo daquele que permitisse. E foi. Trabalhou o dia inteiro. Não deu espaço para a preguiça. Não se acomodou. Precisava fazer isso para que ela e sua sogra tivessem alimento. Proativa, dedicada, esforçada, preocupada com a sogra. Era uma verdadeira serva.

Foi assim que conheceu Boaz: servindo. #ficaadica. (Veja bem, não estou dizendo que ela foi servir com a intenção de conhecer um homem para casar.) Quando Boaz aparece na história, podemos aprender muito com as atitudes de Rute para com esse homem...

Boaz ficou sabendo da história de Rute e, é claro, ficou admirado. Então tomou uma iniciativa de bondade e cuidado para com ela. Acolheu-a em sua plantação, dizendo que podia continuar recolhendo espigas lá e lhe ofereceu água e comida. Qual foi a reação de Rute?

Ela se inclinou e, prostrada rosto em terra, exclamou: "Por que achei favor a seus olhos, a ponto de o senhor se importar comigo, uma estrangeira? [...] E disse ela: "Continue eu a ser bem acolhida, meu senhor! O senhor me deu ânimo e encorajou sua serva — e eu sequer sou como uma de suas servas!" (Rt 2.10-13)

Diferente de Rute, muitas meninas e mulheres se colocam numa posição de autossuficiência (talvez influenciadas pela nossa cultura feminista), como se não precisassem de nada, nem ninguém. O que acontece quando um homem tenta tomar uma iniciativa dessas com uma mulher assim? Opção 1: ela fica brava e argumenta que não precisa do favor dele, que ela é forte o suficiente, que ela é independente. Opção 2: ela pensa que ele está dando em cima dela. (E depois reclamam que não existem homens como antigamente.)

Sabe o que isso revela? Orgulho. Rute não era orgulhosa. Além de servir, ela também sabia receber, com gratidão, respeito e humildade, a iniciativa bondosa e sincera de Boaz.

E você? Toma a iniciativa de servir as pessoas ao seu redor, com alegria? Ou espera ser servida pelos outros? E como você trata os rapazes ao seu redor (em especial os seus irmãos em Cristo)? Você permite que eles demonstrem liderança e cuidado (de maneira apropriada) para com você? Você responde com humildade, respeito e gratidão? Você julga as intenções deles? As suas atitudes os diminuem e reprimem ou os encorajam e apoiam?

Veja a próxima parte, aprendendo com Rute nos capítulos 3 e 4... clicando aqui



Juliana Lima

Um comentário:

  1. Parabéns, ótima explanação e de grande contribuição.
    Paz seja convosco.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação