Jovem Crente: Palavras que ferem... jeito de ser ou pecado?

Palavras que ferem... jeito de ser ou pecado?

Campanha contra abuso verbal em Cingapura.
O bom trato com as palavras


A cordialidade e boa educação no trato com as pessoas aparentemente saiu de moda. Em muitos contextos de relacionamento não existe mais a gentileza ou, no popular, as “palavrinhas mágicas”: por favor, obrigado, com licença. Quanto maior a intimidade, menor a educação. Esse novo conceito fere pessoas, princípios e os ensinamentos do nosso Deus.
Para qualquer desculpa serve aquele velho e bom: esse é o jeito dela, faz parte da personalidade. Mas até onde é possível ter tais características sem cair em pecado? Foi o que me despertou para reavaliar a maneira que eu estava utilizando para me comunicar com os outros. Até onde eu pensei, eu estava muito bem com Deus em relação a isso, muito obrigado! Contudo, quando fui confrontada em relação a esse meu jeito de falar com as pessoas parei para refletir melhor sobre tudo isso.


Quantas vezes já ouvimos: “não é o que você fala, mas como você fala que está completamente errado!”. A forma como falamos com as pessoas diz muito sobre aquilo que está dentro do nosso coração. O orgulho, a soberba, a ira e tantos outros pecados que tentamos encobrir somente pelo fato de estarmos certos no que falamos. O “x” da questão é: porque falamos da forma que falamos? Será que é para edificação do outro ou para demonstrar orgulhosamente que você está certo ou, ainda, lá no íntimo do coração, provocar uma ferida de leve no outro? A Bíblia diz em Efésios 4.29:

"Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem."



Paulo quando escreve para os efésios, ele estava aconselhando pessoas cristãs e não aos incrédulos. Isso quer dizer que de nossa boca essas palavras torpes podem sair.
Torpe significa basicamente: “podre”, “sem valor”, queixume, zombaria, palavras chulas, grosseiras. Palavras torpes também significam palavras cínicas, sarcásticas, expressões obscenas que não beneficiam a quem ouve, pois são sem conteúdo (Josadak Lima). Essa definição parece bem pesada para aqueles que pensavam que palavra torpe era só palavrões ou obscenidade. Mas murmuração também está incluso na definição de torpe. No sentido mais amplo, palavras torpes são todas aquelas que não trazem edificação e não transmitem graça. São palavras irônicas que menosprezam os outros, indiferentes sem nenhuma bondade.
Contudo, o problema não está no que sai da boca, mas sim onde essas palavras se originam. E Mateus 12.34b diz:

"Porque a boca fala do que está cheio o coração."

É do coração que todas essas palavras podres saem. Então, não basta simplesmente se controlar para que essa extensão do coração não apareça, mas cortar o mal pela raiz. É necessário haver uma auto-reflexão para avaliação de motivações e raízes desses sentimentos maus.
No Salmo 139 podemos observar que Deus conhece todos os nossos passos e nosso coração (v.23), então peça ao Senhor que o ajude a verificar o que tem se passado pelo seu coração e também que o ajude a endireitar o seu modo de falar a partir do seu coração. Com certeza Ele o ajudará, assim como me mostrou as raízes podres do meu e tem me ajudado a trilhar o caminho das palavras de bondade e amor para edificação.



Este artigo foi escrito por Marina como parte da matéria de Ética para moças do Curso de Liderança e Discipulado. Ela é atualmente aluna da Graduação do Seminário Bíblico Palavra da Vida e membro da Igreja Batista Emanuel em Boa Viagem.

Um comentário:

  1. Aproveitando o artigo da Marina, quero sugerir um outro como complemento do Tempora Mores, escrito pelo querido Rev. Augustus Nicodemus. http://tempora-mores.blogspot.com/2012/02/palavrao-como-assim.html

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação