Jovem Crente: Mamãe irada (as lutas de uma mãe ao lidar com a ira)

Mamãe irada (as lutas de uma mãe ao lidar com a ira)


Fiquei dias, noite e até madrugadas (quando meu caçulinha de quase um ano me tirava da cama), pensando em como começar este artigo sobre a IRA.
Não imaginava que meu filho de quatro anos fosse dar aquele “click” para mim. Eu estava conversando com meu marido sobre o título que estava pensando em colocar: “Mamãe Irada”, então meu filho que estava ouvindo a conversa disse: “mamãe não é irada, é brava”. Fiquei admirada e pensando: ele sabe que sou brava, mas o que é irada para ele? A resposta dele foi radical, maneiro.
Achei essa resposta engraçada, mas fiquei preocupada por dois motivos:
Primeiro, realmente Deus está mostrando que preciso mudar, para que meus filhos não sejam sufocados pelo meu pecado.
E segundo, por que a palavra “irada” se tornou uma qualidade tão banalizada?
Pesquisando na internet, encontrei um desenho que uma criança fez para sua mãe. Nela, a criança escreve: mamãe é bonita, divertida e irada. Se irada fosse isso, quem não gostaria de ser conhecida como a mulher mais irada do planeta?


Porém, em nosso dicionário, irado é alguém furioso, raivoso, violento. E o que a Bíblia nos diz sobre a pessoa irada? Também é uma pessoa furiosa, raivosa. Mas o que há de errado nisso? Se Jesus ficou irado no templo com os mercenários (Mc 11.15-17), e Deus também se ira com o pecado (Jr 4.8).
A resposta para essa pergunta eu tenho no meu dia a dia como mãe e esposa. Muitas vezes eu disciplinei meus filhos no auge da ira, com força e palavras duras. Eu bem que poderia espiritualizar dizendo que a minha ira é “santa”, pois estou irada contra a rebeldia deles. Com certeza esta deve ser a motivação correta, é a ira justa. Porém, no momento da ira, é bem difícil separar a linha da ira justa e da ira humana injusta.


"pois a ira do homem não produz a justiça de Deus." Tiago 1.20


A ira justa diz: eles estão desobedecendo à palavra de Deus, estão sendo rebeldes ao mandamento de Deus, entristecendo a Deus. Mas a minha ira humana injusta fala mais alto e diz: eles precisam me obedecer, eles estão me desafiando, estão contra a minha decisão.
Por isto esta mamãe irada precisa reconhecer seu pecado da ira (Gl 5.20), mudar de atitude da ira para a mansidão (Cl 3.8, 12) e viver totalmente na dependência do Espírito (Gl 5.16-23).
E assim quem sabe um dia ouvir meu filho dizer: “Realmente mamãe não é irada, é brava quando deve ser, mas é maneiro, bacana”.

Este artigo foi escrito por Ruth Ikeda


Ruth é aluna do Curso de Liderança e Discipulado e desenvolveu o artigo como parte dos requisitos da matéria de Ética para moças. Casada com Éverton Massato Ikeda, e estão se preparando no curso teológico do Seminário Bíblico Palavra da Vida para o ministério.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação