Jovem Crente: Luta contra a balança: quando a comida é o seu deus.

Luta contra a balança: quando a comida é o seu deus.


Coração ou comportamento, quem muda primeiro?
O cuidado com o nosso corpo começa com a transformação do nosso coração.
Durante muito tempo eu acreditei que ser crente era apenas parecer diferente dos outros. Para isso eu deveria seguir uma lista de comportamentos: não mentir, não falar palavrão, obedecer meus aos pais, e ir à igreja todos os domingos! Se eu cumprisse essa lista estaria tudo bem. Eu estaria agradando a Deus e mostraria para os outros que eu era crente. De fato, todas essas coisas eram e são muito boas e eu deveria buscá-las, mas o que eu não sabia é que seguir a Cristo ia muito além. Não se tratava apenas de mudar comportamentos e parecer alguma coisa para os outros, mas sim de mudar o coração.



Hoje eu posso dizer que entendo que ser cristã se trata de deixar Deus moldar todas as áreas da minha vida, e que meu comportamento só mudará quando de fato meu coração e meus pensamentos mudarem. O exterior sempre será reflexo do interior. E é sobre tratar o coração que eu gostaria de falar. Tenho aprendido sobre mudança interior numa área onde normalmente as pessoas só procuram mudança exterior. Tenho aprendido que o fato de eu comer mais do que deveria é antes de tudo um problema do meu coração. Meus hábitos alimentares refletem um coração desobediente a Palavra de Deus e que busca prazer longe de seu Criador. Um prazer que deseja ser alcançado a qualquer custo, mesmo que isso signifique comer muito mais do que o necessário.

O PASSADO
A questão do peso sempre foi um problema. Acho que eu sempre fui gordinha, e minha família sempre quis que eu emagrecesse. Lembro que minha primeira dieta começou aos 10 anos. Eu sei que eles zelavam por minha saúde e queriam me ver bem. E por mais que se esforçassem em me ajudar fazendo competições em que eu ganharia dinheiro ou roupas novas se emagrecesse eu não conseguia. Sentia-me uma decepção. Tudo o que eu escutava é que eu não me enquadrava e que eu deveria emagrecer pra responder a um padrão. Cada vez que falavam que eu estava gorda eu comia mais, só de raiva. Pensava estar ferindo eles, mas na verdade quem se prejudicava era eu.
Tenho certeza de que todas as vezes que minha família me disse que eu deveria emagrecer foi porque queriam me ver mais feliz e saudável. Mas não era isso o que ficava registrado em mim. No meu coração ficava um profundo sentimento de reprovação e fracasso. Uma tristeza muito grande por não conseguir ser aquilo que eu e os outros esperavam de mim mesma. Toda essa questão do peso e as emoções negativas que ficaram marcadas em mim me tornaram uma adolescente que buscava ansiosamente a aprovação dos outros.
A comida servia para mim como fonte de escape e prazer. Se eu estava triste eu comia. Se eu estava ansiosa eu comia. Se minha mãe brigava comigo eu comia. A comida era solução para tudo. E assim eu ia engordando mais, o que me levava a ficar mais triste e a acabar comendo mais. Uma bola de neve que só ia crescendo. Acontece que naqueles anos da minha adolescência eu não percebia isso. Eu não entendia porque eu comia tanto. Eu só sabia que cada vez eu queria comer mais. Hoje eu ainda colho os frutos de minhas escolhas erradas e dos meus pecados do passado.
A MUDANÇA
Contudo, o que realmente importa é que agora eu posso fazer diferente. Agora eu entendo o que estava acontecendo e tenho as ferramentas para lutar contra os maus e pecaminosos hábitos que eu cultivei.
No meio da minha confusão eu estava colocando minha fonte de prazer, alegria e satisfação em algo que não era Deus. Ao invés de eu levar a Ele minhas dores, tristezas e ansiedades eu comia. Elegi um ídolo no meu coração no lugar de Deus e não percebi que isso é pecado. Nada pode tomar o lugar de Deus no meu coração. Além disso, eu estava tão preocupada apenas com o meu prazer que quando alguma coisa não acontecia como eu tinha imaginado rapidamente eu precisava de outra coisa para me saciar. No meu caso era a comida. Imagine uma criança mimada que quando não tem o que quer chora, faz beicinho e bate o pé. Era mais ou menos assim que eu me comportava. Se eu não tinha o que queria ou me frustrava com algo eu comia.
O fato de eu comer demais revelava que eu não confiava totalmente em Deus e que eu não O enxergava como sendo a fonte da minha alegria e Aquele que podia guardar os meus sentimentos.


"Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus."Fp 4.6-7


Quem é capaz de resolver minhas dores e ansiedades não sou eu mesma nem a comida, só Deus.
Mas e agora? Depois que eu entendi que a comida tinha se tornado um ídolo do meu coração e que eu tinha me permitido ser dominada por meu anseio desesperado por prazer o que fazer? Como reverter essa situação? Como cuidar do meu corpo agora? Fui buscar na Bíblia as respostas para as minhas perguntas!
Em primeiro lugar eu aprendi que eu devo cuidar bem do meu corpo porque ele é templo do Espírito Santo.

“Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o corpo de vocês.”  1 Co 6.19-20.

O espírito do único e verdadeiro Deus habita em mim e eu preciso cuidar da “casa” Dele. Preciso cuidar da minha saúde e daquilo que eu como. Não posso tratar o templo do Espírito Santo de qualquer jeito. O foco não é cuidar do meu corpo para que os outros me achem mais bonita ou para que eu possa atrair os rapazes. Eu devo cuidar do meu corpo porque ele é morada do Espírito Santo.
Outro ensinamento que eu aprendi na Palavra de Deus é que eu devo fazer todas as coisas para a glória de Deus. Mesmo que seja comer ou beber.

"Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” 1 Co 10.31

Quando eu como mais do que o meu corpo necessita, quando eu como por ansiedade ou gula eu não estou comendo para a glória de Deus. Estou comendo para mim mesma. Porém ser cristã é exatamente parar de fazer as coisas para si mesma e passar a fazer as coisas para Deus. A partir do momento da minha conversão minha maneira de viver mudou. Não vivo mais para agradar a mim mesma, e sim para agradar a Deus. Até mesmo na minha maneira de comer.
Aprendi também que eu não preciso me conformar ao padrão de beleza estabelecido pelo mundo. A Bíblia ensina que a verdadeira beleza não está no exterior e sim no interior.

“A beleza de vocês não deve estar nos enfeites exteriores, como cabelos trançados e jóias de ouro ou roupas finas. Pelo contrário, esteja no ser interior, que não perece, beleza demonstrada num espírito dócil e tranqüilo, o que é de grande valor para Deus.” 1 Pe 3.3-4
“A beleza é enganosa, e a formosura é passageira; mas a mulher que teme ao Senhor será elogiada.” Pv 30.31

Estar acima do peso não é o problema central. O problema é o porquê que eu estou acima do peso. Se for porque eu estou comendo de forma a não glorificar a Deus então eu preciso mudar. Preciso submeter meus hábitos alimentares a Deus. Ele quer reger TODAS as áreas da minha vida. Até minha alimentação.
Ao ler o artigo de Elyse Fitzpatrick intitulado Ajudando Mulheres que Comem Demais e as que Praticam Bulimia me deparei com uma reflexão interessante sobre o que Deus pede de nós. Deus não me chamou para corresponder ao padrão de beleza feminina que o mundo estabeleceu. Também não há nenhum mandamento quanto a ser magra. Fui chamada para ser igual a Cristo. Para ser santa. Contudo, conformar-me à imagem de Cristo significa submeter a Deus todas as áreas da minha vida, inclusive meus hábitos alimentares. A autora diz: “o alvo de Deus é transformar-nos, não numa modelo, mas numa nova criatura em Cristo Jesus.” (p.415).
Tenho aprendido muitas coisas sobre alimentação e sobre como ela revela mais do meu coração do que eu podia imaginar. Todos os dias preciso pensar e avaliar o que vou comer. Muitas vezes eu vacilo. Como sem pensar. Mas graças a Deus porque Nele sempre posso ter uma nova chance.

"Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus." Fp 1.6

 Estou a prendendo a submeter a Deus todo o meu ser. Até mesmo meus hábitos alimentares.

“Não sabem que, quando vocês se oferecem a alguém para lhe obedecer como escravos, tornam-se escravos daquele a quem obedecem: escravos do pecado que leva à morte, ou da obediência que leva à justiça? Mas, graças a Deus, porque, embora vocês tenham sido escravos do pecado, passaram a obedecer de coração à forma de ensino que lhes foi transmitida.  Vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos da justiça. Falo isso em termos humanos por causa das suas limitações humanas. Assim como vocês ofereceram os membros dos seus corpos em escravidão à impureza e à maldade que leva à maldade, ofereçam-nos agora em escravidão à justiça que leva à santidade.” Rm 6.16-19

Talvez sua luta não seja especificamente com a comida. Talvez você lute com outras coisas como vaidade, orgulho, sensualidade ou outras coisas. Porém, lembre-se: só venceremos os ídolos que colocamos no lugar de Deus se O deixarmos tratar nosso coração. Não adianta termos um comportamento adequado se o nosso coração não estiver transformado.

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Pv 4.23

Este artigo foi escrito por Bruna Fontana


Bruna foi aluna do Curso de Liderança e Discipulado e cursa pedagogia na Universidade Federal Fluminense. Desenvolveu o artigo como parte dos requisitos da matéria de Ética para moças. É membro da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro

2 comentários:

  1. Olá Bruna, eu quero agradecer este artigo pois ele foi uma luz pra mim . Eu achava que somente eu tinha passado por esse tipo de dificuldade ,eu passei exatamente por isso e já estou na fase da ''mudança'' pela Graça de Deus . Que ele nos abençoe nessa jornada e também a todos aqueles que passam por situações como essas!!! Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada pelo artigo!! Me mostrou mais uma área da minha vida que não estava deixando Deus tomar o controle, e o quanto estava enganada, me esquecendo que sou casa de Deus

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação