Jovem Crente: A fábula do hipopótamo (Judas)

A fábula do hipopótamo (Judas)


Era uma vez uma comunidade de sapos. Eles viviam numa pequena lagoa clara e pura. Naquele mesmo habitat havia um hipopótamo. Mas os sapos nunca deixavam o hipopótamo entrar na água. Certo dia começaram a aparecer moscas, porém os sapos não conseguiam alcança-las para come-las. Foi então que o hipopótamo teve uma ideia e foi falar com os sapos: sapos, sei que muito lhes agrada estas novas e apetitosas moscas, por isso pensei que poderia lhes ser útil! Eu deixo com que fiquem ao meu redor e quando elas vierem eu balanço o meu rabo derrubando algumas para vocês comerem. Os sapos muito empolgados com a ideia toparam na hora. No dia seguinte quando o plano foi executado, os sapos perceberam que quando o hipopótamo balançava o rabo batendo nas moscas, não adiantava muito pois elas caiam em terra seca, quando caiam, e logo se recompunham e voavam novamente, sem dar tempo para os sapos. Foi então quando o hipopótamo resmungou de canto: isso porque nós não estamos na água. Um sapo ao ouvi-lo pensou que aquilo fazia sentido, pois se elas caíssem na água não conseguiriam continuar voando, e foi conversar com os outros sapos. Sem perceber o perigo os sapos trouxeram o hipopótamo para a beiradinha do lago. Foi satisfatório para o hipopótamo por um tempo, até que ele percebeu que já tinha ganhado um pouco de confiança dos sapos e decidiu arriscar um pouco mais. Incitando alguns sapos a querem mais comida e insinuando que eles mereciam mais, deu a sugestão a alguns sapos que talvez ele pudesse ajudá-los. Foi então que ele lançou sua nova proposta: talvez se vocês me deixassem entrar um pouquinho mais no lago, quando as moscas me rondassem elas estariam mais perto e voando mais baixo. Como os sapos já conheciam e confiavam no hipopótamo resolveram concordar. Nos dias seguintes o acordo deu muito certo e cada dia mais os sapos confiavam mais no hipopótamo, e este observando a abertura dada por eles, foi entrando e entrando na lagoa. Até que quando os sapos perceberam, o hipopótamo já estava todo dentro do lago e sua água toda suja. E os sapos não puderam mais viver lá pois havia virado um lamaçal, o lamaçal do hipopótamo, que de tão amigo expulsou-os de lá.

Moral: “Pois certos homens, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Estes são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor.” Jd 1.4

Esta fábula foi escrita por Thaísa Mendes Almeida para a matéria de Panorama do Novo Testamento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação