Jovem Crente: Enquanto o príncipe não vem (dilemas do coração feminino na espera do casamento)

Enquanto o príncipe não vem (dilemas do coração feminino na espera do casamento)


Mulher... Como é bom ser mulher. Sempre considerei um privilégio e amo a ideia de um dia poder ser esposa e mãe. Na verdade esse sempre foi o meu maior sonho: se não me controlar gasto horas e horas sonhando com um futuro relacionamento, imaginando como será meu marido, meus filhos, minha casa...
Fico me perguntando se eu serei uma boa esposa, se saberei cumprir meu papel de auxiliadora idônea e como eu serei como mãe. Já ouvi diversas vezes e de diferentes pessoas: “Acho que você será uma mãezona!”. Tudo bem, eu admito: isso penetra em meus pensamentos e às vezes me leva a pensar que Deus está perdendo tempo em não me conceder uma família.

Por ser um sonho muito forte, na maioria das vezes não sei administrá-lo muito bem. Estou com 24 anos, e não tenho um relacionamento a pelo menos 3. Minhas amigas estão todas se casando, e eu muitas vezes sou convidada para ser madrinha e fico responsável por organizar chás de cozinha. Casamento, casamento, casamento... Quando vai chegar a minha vez? Até quando Deus vai se negar a realizar o meu sonho? Por que parece que é tão fácil para outras pessoas encontrarem alguém? Estou sendo muito exigente? Há algo de errado comigo? Será a minha aparência ou personalidade? As pessoas já me enxergam como encalhada? Como posso me relacionar com rapazes, sem avaliá-los como uma oportunidade de casamento? As pessoas dizem que devo guardar meu coração, mas como se faz isso?



Ao longo desse ano Deus me deu o privilégio de estudar no Seminário Bíblico Palavra da Vida. Tive oportunidade de ter aulas incríveis sobre as Escrituras, e uma delas foi a aula de ética cristã para meninas. Deus revelou muita coisa que eu faço de errado ao longo desses meses, coisas em que eu achava que não era tão ruim... Em especial na área de espera por relacionamentos, Deus tem se mostrado gracioso e muito misericordioso, revelando vários pecados em meu coração.

Percebendo minhas atitudes
Ansiosa, eu?
Sim, sou ansiosa. Tudo bem, às vezes a minha ansiedade beira o desespero. Quero o que quero, e quero agora. “Cadê meu namorado Deus? Como ele é? Já que ele não vai cair do céu, vou dar uma ajuda ao Senhor... O que acha de Fulano? Ele é tão bonito, parece tão comprometido... Mas também tem o Ciclano, os planos dele parecem se encaixar mais com os meus...”
Deus responde: “Filha, pare! Não ande ansiosa por coisa alguma, em hipótese alguma. Isso não a levará a nenhum lugar”. Deus dá uma ordem clara a seus filhos em Filipenses 4.6: “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças.” Deus não diz: “Não ande ansioso em relação a sua futura faculdade”, ou “em relação a sua saúde”. Ele diz: “Não ande ansioso por coisa alguma”. Nada pode justificar a ansiedade no nosso coração. E Ele não pára por aí: continua dizendo que em TUDO devemos apresentar nossos pedidos a Deus, pela oração e súplica, com ações de graças. Devemos orar sobre o assunto, com gratidão. Devemos orar e confiar que o agir de Deus será o melhor para nós. No versículo 7 Paulo apresenta o resultado de uma vida assim: “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.”
No versículo 8 Paulo diz sobre as características de coisas que devem ocupar o nosso pensamento. Deus vai direto ao ponto ao ordenar que pensemos no que é verdadeiro, ou seja, no que é real. O Senhor não quer que cultivemos pensamentos que não são reais, que ainda não aconteceram e que nem sabemos se irão acontecer. O versículo é claro: se o que eu penso não é verdadeiro, não devo pensar nisso. E em Mateus 6.27, Jesus apresenta o motivo por trás dessa ordem: “Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso da sua vida?” Em outras palavras: ficar ansioso não resolve nada.

Mas minhas amigas estão casando...
Como é fácil me comparar com outras pessoas, e tirar os olhos do alvo de minha vida (Hb 12.1-3). Quando faço isso estou, de maneira indireta, questionando o caráter santo e justo de Deus. Ele é Deus e eu não. Ele conhece todas as coisas e eu mal sei decidir com qual roupa vou para o culto domingo à noite. Ele penetra profundamente no meu coração, o mesmo por quem sou facilmente enganada e cuja doença é incurável (Jr 17.9).
Deus é Deus, e o seu tempo é perfeito. Ele nunca se atrasa (Ec 3.1). Nada foge do Seu controle e não há nada que Ele não possa fazer (Mt 19.26). A comparação com outras pessoas é uma armadilha terrível, que gera descontentamento e pode rapidamente se transformar em inveja. Passo a desejar que ninguém seja ou possua aquilo que eu mesmo não tenho e nem sou. Egoísta e mesquinho, esse é o retrato verdadeiro do meu coração.

Por que eu?
Por que eu Senhor? Por que eu sofro tanto? Por que nenhum menino se interessa por mim? Por que o Senhor não me ouve (Is 40.27)? O nome disso é autocomiseração: um sentimento que aparenta uma falsa humildade, mas que revela um coração desesperado em busca de reconhecimento.

Encontrando as raízes...
Você é capaz de perceber que o que está por trás de todos esses pecados é uma vida centrada em si mesmo? Uma obsessão por aquilo que EU quero, na hora em que EU quero, do jeito que EU quero. E quando Deus responde “Não” ou “Espere”, parece que o nosso mundo cai.
Orgulho é pecado (Pv 21.4), e Deus odeia esse sentimento (Pv 6.17). Infelizmente todos os seres humanos lutam dia a dia contra si mesmos, contra seus corações orgulhosos. O orgulho é grave pois rejeita a necessidade de Deus. “Olhos altivos” olham de cima para baixo para todos, inclusive para o Senhor e não há espaço para Deus em uma vida cheia de si.  Um coração que é dominado pelo orgulho é um coração idólatra.

Então não posso querer me casar?
Em 1 Co 7.7,8 Paulo afirma que seria melhor que todos vivessem solteiros, pois indivíduos casados têm sua atenção dividida entre as coisas do casamento e o serviço do Senhor.  De acordo com Paulo, portanto, estar solteiro é um privilégio dado por Deus, que permite que a pessoa desenvolva cada vez mais um caráter parecido com Cristo, dependendo totalmente da soberania de Deus e assumindo um compromisso integral para com a obra do Senhor.
Entretanto, não há nada de errado em desejar se casar. Não há nada de errado sonhar com isso. Deus criou o casamento (Gn 2.20-24). Mas precisamos tomar cuidado com a motivação por trás desse desejo tão forte. Para que desejo tanto me casar? Somos exortados por Jesus a amar a Deus de todo o nosso coração, toda a nossa alma e todo o nosso entendimento (Mt 22.37) e só Ele deve ocupar o primeiro lugar em nossos corações.
Quando o primeiro casal criado por Deus desobedeceu Sua ordem e comeu o fruto da árvore proibida, o pecado entrou no mundo tudo mudou. O pecado passou para todos os homens (Rm 5.12), e como conseqüência a morte (Rm 6.23). Mas Cristo se fez homem (Fp 2.6-8) e derramou na cruz o seu sangue para que os nossos pecados pudessem ser perdoados (1 Pe 1.18,19). Deus na cruz pagou o preço, e essa salvação é oferecida de graça a todos os homens (Ef 2.8,9). Nós não merecíamos nada disso (Rm 5.8).
Diante disso, chega a ser vergonhoso exigir que Deus nos dê algo tão pequeno quando comparado à nossa tão grande salvação (Hb 2.3). Deus não prometeu que todas as mulheres se casariam e teriam filhos, mas prometeu livrar os que crêem em Cristo da sua ira eterna (Jo 3.16; Rm 5.9).

Alerta constante, luta incessante
Apesar de aprender essas duras verdades, uma mudança do coração não é algo que se obtém do dia para a noite. A santificação em Cristo faz parte de um processo no qual substituímos hábitos ruins por aquilo que é aprovado por Deus (Ef 4.22-24) e que será completado no dia em que nos encontrarmos com Cristo  (Fp 1.6). Infelizmente pensamentos que não agradam a Deus irão se passar pelas nossas cabeças, mas a maneira como lidaremos com isso fará toda a diferença. A cada dia devemos analisar a motivação do nosso coração, e buscar perceber o que está por trás de nossos lamentos e murmurações.
Graças a Jesus nós já temos o perdão dos nossos pecados. Sonde o seu coração, e confesse suas verdadeiras tendências ao Senhor (1 Jo 1.9) para que Ele lhe purifique de toda a injustiça. Enquanto estiver solteira, aproveite as oportunidades que o Senhor lhe dará para servi-lo de todo coração. Não desanime: Deus é bom e estará sempre com você, capacitando-a a enfrentar todas as situações de sua vida. Basta procurá-lo e depender da Sua força e graça (2 Co 12.9). E que Cristo habite em seu coração pela fé, para que você compreenda a largura, o comprimento, a altura e a profundidade do amor de Jesus, e assim você se torne uma mulher tomada por toda a plenitude de Deus (Ef 3.17-19), independentemente de seu estado civil.



Este artigo foi escrito por Aline Dias Provenzano

Aline é aluna do Curso de Liderança e Discipulado e desenvolveu o artigo como parte dos requisitos da matéria de Ética para moças. Ela também é formada em Fisioterapia pela Universidade Federal de São Carlos e membro da Primeira Igreja Batista de Atibaia.

7 comentários:

  1. Deus a abênçõe, Aline! Muitas vezes também me questionei sobre o casamento e o que Deus tem para mim, mas a resposta também vem do nosso Deus, Ele quer que aguardemos e esperemos nEle! Muito bom o seu artigo! compartilharei com outras jovens.

    ResponderExcluir
  2. Parabens pela iniciativa, Aline!
    Belo testo, belo blog! :D

    Nao deixe de visitar também o meu blog!

    www.glauberdestro.blogspot.com

    Um forte abraço e que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  3. Não te conheço, mas amei o texto. Muito bom! Parabéns e glória a Deus!

    ResponderExcluir
  4. Amiga, ficou muito bom!!! parabéns e que Deus fale com as pessoas através da sua visa cada dia mais!! bjooos

    ResponderExcluir
  5. Nossa lindo...edificante. Parabéns Aline...que Deus continue te usando...Beijos

    ResponderExcluir
  6. Falou profundamente ao meu coração! Deus continue te abençoando!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários, sugestões ou opiniões. Lembre-se:
- pode discordar, mas com educação